Revista  Enfermagem Atual

Nosso contato
enfermagematual2017@gmail.com
+55 (21) 2259-6232
Nosso endereço
[ISSN 1519-339X ] Impressa
Rua México, 164, SALA 62
Centro | RJ - 20031-143

A utilização oportuna dos sistemas de informação em saúde pelo enfermeiro de rede básica

Use of timely information systems in health for basic nursing network
  • André Luiz de Souza Braga
  • Marilda Andrade
  • Elaine Antunes Cortez

Declaração da ausência de conflitos de interesse: Os autores declaram não haver conflitos de interesse nem fontes de financiamento.

RESUMO

Objetivo: Sumarizar as evidências científicas sobre a utilização da informação oportuna, ofertada pelos Sistemas de Informação em Saúde - SIS ao enfermeiro de rede básica de saúde em seu cotidiano de trabalho. Método: Revisão integrativa, com vistas a responder a questão: Como ocorre a utilização dos sistemas de informação em saúde pelos enfermeiros de rede básica de saúde? Mediante ao levantamento bibliográfico nas bases de dados CINAHL, LILACS e PUBMED e na biblioteca virtual SciELO. Para discussão foram selecionados 11 artigos representados no fluxograma. Resultados: Os artigos que atenderam ao objetivo da pesquisa originaram duas categorias temáticas: A implantação/implementação dos Sistemas de Informação em Saúde e Avaliações dos Sistemas de Informação em Saúde. Conclusão: Observou-se a necessidade da incorporação de estratégias que capacitem os profissionais para atuarem com entendimento e autonomia em suas decisões, frente à informação oportunizada pelos SIS em seu cotidiano.

Palavras-chave: Informação; Sistemas de informação em saúde; Tomada de decisões, Enfermagem de atenção básica; Força de trabalho.


SUMMARY - Objective: To summarize the scientific evidence on the use of timely information supplied by the Health Information Systems – SIS to the primary network of nurses in their daily work. Method: Integrative review, with a view to answering the question: How is the use of health information systems by primary care nurses? Through bibliographical survey based on CINAHL, LILACS and PUBMED and SciELO virtual library. For discussion were selected 11 articles represented in the flow chart. Results: The articles that met the survey's goal originated two thematic categories: Deployment / Implementation of Health Information Systems and Evaluation of Health Information Systems. Conclusion: There was the need to incorporate strategies that enable professionals to act with understanding and autonomy in their decisions, forward the information nurtured by the SIS in their daily lives.

Keywords: Information; Health Information System; Decision Making; Primary Care Nursing; Labor Force.

INTRODUÇÃO

A expressividade do tema informação em saúde demonstra a importância que vem assumindo na sociedade moderna, com alterações introduzidas constantemente, através de inovações tecnológicas e metodológicas que repercutem diretamente no conteúdo, no formato e na divulgação da informação produzida1; e este processo é realidade nos mais diversos campos do conhecimento humano. Identificam-se inúmeras situações em que as informações são empregadas para orientar a tomada de decisão. Assim, elas estão sempre presentes e participantes do nosso cotidiano.

Observa-se um avanço, em nível mundial, na informação com o advento da informática, onde, a partir a década de 1960, começam a ser acessíveis e, aos poucos, instalados nas empresas e, posteriormente, chegaram aos domicílios, descentralizando suas ações de processamento dos dados. Não sendo diferente para o campo da saúde, que se apropriou das vantagens da informatização em suas informações2. Cabe ressaltar que a informação em saúde é uma das áreas de conhecimento da saúde coletiva, está inserida nas políticas de saúde, nos campos da promoção, prevenção e recuperação da saúde individual e coletiva.

A Organização Mundial da Saúde – OMS, define os sistemas de informações em saúde - SIS como um mecanismo de coleta, processamento, análise e transmissão da informação necessária para se planejar, organizar, operar e avaliar os serviços de saúde. Considera-se que a transformação de um dado em informação exige, além da análise, a divulgação, e, inclusive, recomendações para a ação. Sendo assim, a informação em saúde, deve ser entendida como um redutor de incertezas, um instrumento para detectar focos prioritários, levando a um planejamento responsável e a execução de ações de que condicionem a realidade às transformações necessárias3-5.

Segundo o Ministério da Saúde6, é essencial conceber os SIS como um instrumento para o processo de tomada de decisões, seja na dimensão técnica, ou na dimensão de políticas a serem formuladas e implementadas, devendo assegurar a avaliação permanente da situação de saúde da população e dos resultados das ações de saúde executadas, fornecendo elementos para, continuamente, adequar essas ações aos objetivos propostos pelo SUS.

Deste modo, inicia um novo olhar, tendo a compreensão dos SIS como ferramenta inserida no processo de trabalho da enfermagem em rede básica de saúde, oportunizando tomadas de decisão mais assertivas, fundamentais para efetivação da prática profissional7.

No cotidiano do enfermeiro, a tomada de decisão é entendida como sendo a função que caracteriza o desempenho de suas atividades gerenciais. Independentemente do aspecto que se apresente a sua decisão, essa atitude deve ser produto de um processo sistematizado, que envolve o estudo do problema a partir de um levantamento de dados, produção de informação, estabelecimento de propostas de soluções, escolha da decisão, viabilização e implementação da decisão e análise dos resultados obtidos8.

O sucesso profissional do enfermeiro de rede básica em seu cotidiano está vinculado à qualidade de suas decisões. Decidir é uma atividade inata do líder e elemento central das atividades de enfermagem e, as habilidades necessárias para a tomada de decisão podem ser estudadas e aprendidas. Destaca-se a importância da tomada de decisão baseada em evidências, como imperativa à solução de problemas individuais e profissionais9.

Considerando, portanto, a relevância de discutir a informação como ferramenta oportuna para subsidiar a tomada de decisão, objetiva-se, neste estudo, sumarizar as evidências científicas sobre a utilização da informação oportuna, ofertada pelos SIS ao enfermeiro de rede básica de saúde em seu cotidiano de trabalho.

A investigação justifica-se para ampliar o conhecimento, provocar reflexões sobre as informações disponíveis e cooperar para o incremento de estudos futuros.

MÉTODO

Estudo descritivo10, de revisão integrativa da literatura11, em que inclui a análise de pesquisas relevantes que dão suporte para a tomada de decisão, melhoria da prática clínica e possibilita a síntese do estado de conhecimento de um determinando assunto, favorecendo o preenchimento das lacunas de conhecimento.

Este método apresenta seis etapas, a saber: 1ª: identificação do tema e seleção da questão de pesquisa para a elaboração da revisão integrativa; 2a: estabelecimento de critérios para inclusão e exclusão de estudos; 3a: definição das informações a serem extraídas dos estudos selecionados; 4a: avaliação dos estudos incluídos na revisão integrativa; 5a: interpretação dos resultados; 6a: apresentação da revisão11.

A partir destas fases, torna-se possível a busca sistematizada das obras disponíveis nas bases literárias, organização e síntese das obras publicadas, o que permite maior aproximação e apropriação do autor quanto ao tema.

Para a construção do estudo, foram realizadas buscas a partir das bases de dados Biomedical Literature Ciattions and Abstracts - PUBMED; Cumulative Index to Nursing & Allied Health Literature – CINAHL; Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde - LILACS e na biblioteca virtual Scientific Electronic Library Online – SciELO, com o objetivo de elencar os estudos que respondessem a questão de pesquisa.

A coleta ocorreu entre os meses de janeiro e março de 2015, tendo como recorte temporal o ano de 2004, primeiro ano após a 12ª Conferência Nacional de Saúde, evento organizado pelo Ministério da Saúde com delegações de todos os municípios brasileiros, onde ocorreram discussões de extrema maturidade para a construção da Política Nacional de Informação e Informática em Saúde12-13.

Os Descritores em Ciências da Saúde - DECS empregados para busca dos estudos na LILACS e na SciELO foram: Informação; Sistemas de informação; Sistemas de informação em saúde; Tomada de decisões, Enfermagem de atenção básica; Gerência; Gestão da informação em saúde; Força de trabalho; Como estratégia de busca, os descritores foram utilizados separadamente e combinados, para tanto, optou-se pelo operador booleano “AND” 14.

Para a PUBMED, foram utilizados os seguintes descritores do Medical Subject Headings - MESH: Information; Information Systems; Health Information System; Decision Making; Primary Care Nursing; Management; Health Information Management; Labor Force. Com vistas à melhor qualidade nas buscas utilizamos a estratégia “PICO”, sendo: P – definir uma população, situação clínica ou problema; I – definir uma intervenção; C - adicionar uma comparação; O – descrever um desfecho clínico. Essa estrutura é altamente recomendada pelo movimento da Medicina Baseada em Evidência – MBE15.

Para a CINAHL, foram utilizados os descritores do CINAHL headings: Information; Information Systems; Health Information System; Decision Making; Primary Care Nursing; Management; Health Information Management; Labor Force.

Estabeleceu-se como critérios de inclusão os trabalhos originais, nos idiomas inglês, espanhol e português, os artigos que abordassem sobre a utilização dos SIS pelo enfermeiro de rede básica de saúde como uma ferramenta para tomada de decisões. Os critérios de exclusão foram: as dissertações, as teses e os artigos que não estavam em correspondência com os objetivos do estudo16. A construção do corpus foi realizada de forma independente por dois autores, tendo em vista garantir a legitimidade do conteúdo da análise.

RESULTADOS

Do que compunha a amostra inicial de artigos na base PUBMED (49,26 %), CINAHL (22,17%) LILACS (19,70%) e SCIELO (8,87%), exposto no Quadro 1, os quais foram lidos todos os títulos e resumos encontrados. Excluindo os artigos que não estavam em conformidade com os objetivos do estudo, foram destacados para análise 203 estudos.

Quadro 1. Resultado da busca eletrônica dos termos selecionados nas bases de dados/biblioteca virtual, Rio de Janeiro, 2015.

Dessa amostra pré-estabelecida, foram exclusos 17% dos trabalhos científicos por serem publicações anteriores a 2004, as pesquisas que tiveram abordagens temáticas diferentes somaram - se 71%, observou-se 5,5% de publicações repetidas e ao final foram selecionados 7% dos estudos para construir a amostra. Após a leitura na íntegra e rigorosa dos estudos préselecionados, o que totalizou 11 pesquisas científicas, constituiu a amostra final deste estudo (Fluxograma 1).

Fluxograma 1. Resultado do caminhar metodológico da pesquisa, Rio de Janeiro, 2015. Fonte: próprio autor

Com base no instrumento de coleta foi possível assegurar com totalidade a extração os dados relevantes, minimizar o risco de erros na transcrição, garantir precisão na checagem das informações e serviu como registro para verificar as produções existentes sobre a temática.

A análise das 11 pesquisas da amostra deste estudo possibilitou sintetizar o conhecimento da literatura nacional e internacional sobre a utilização oportunizada pelos SIS ao enfermeiro de rede básica de saúde como uma ferramenta de tomada de decisões, em seu cotidiano de trabalho.

Em relação ao ano de publicação dos artigos integrantes do estudo, apresentado no quadro 02, verificou-se que as produções se apresentam a partir de 2009, com um quantitativo de três artigos publicados neste ano, seguido de dois artigos em 2011, três em 2012, dois em 2013 e um em 2014. Quanto à caracterização dos 11 artigos que compuseram a amostra, destaca-se que as publicações estão distribuídas em dez periódicos.

Todos os estudos são originais, executados com abordagem quantitativas ou qualitativas. Ao analisar o país cada trabalho científico, encontrou-se 07 (70%) dos trabalhos produzidos no Brasil e o demais nos seguintes países: Cuba, Gana. Inglaterra e Suécia.

Os trabalhos foram organizados por autores, títulos, país, ano, periódicos e base de dados/biblioteca virtual, além de serem avaliados em sua qualidade em consonância com um modelo de Nível de Evidência17, apresentadas no Quadro 2 a seguir.

DISCUSSÃO

Dos resultados encontrados, originaram-se duas categorias temáticas que serão discutidas a seguir:

A implantação/implementação dos Sistemas de Informação em Saúde

A partir da municipalização e descentralização das ações de saúde proposta pelo Sistema Único de Saúde (SUS) do Brasil, fomentaram-se diversas discussões sobre a informação e o seu gerenciamento para melhor compreensão dos problemas de saúde da população local assistida, abarcando como importante ferramenta para gestão em todos os níveis de atenção. Dentro do rol de instrumentos necessários à gerência eficaz das organizações, a informação pode ser vista como um insumo de importância capital18-19 .

Em seu estudo, Santos relata como se deram as iniciativas no campo da informação, realizadas pelo município de Belo Horizonte/MG - Brasil, com vistas aos mecanismos de estruturação e resultados alcançados através de um sistema de informação de gestão, focado na implantação do prontuário eletrônico.

Os resultados apresentados evidenciaram uma contribuição significativa que o sistema ofertou para mudança do modelo assistencial no município a partir da implantação e informatização de 103 unidades básicas de saúde, 09 unidades especializadas e 503 equipes de saúde da família. Os autores enfatizam que tal implantação viabilizou a construção cotidiana, de forma dinâmica, de um novo ambiente de trabalho19.

Ainda no Brasil, o estudo realizado por Cavalcante et al20 objetivou analisar como profissionais e gestores da Secretaria Municipal de Saúde e de Superintendência Regional de Saúde, do Sistema Único de Saúde, no estado de Minas Gerais, têm utilizado o Sistema de Informação da Atenção Básica - SIAB no processo decisório. Na pesquisa foram incluídos 11 participantes distribuídos no nível local, municipal e estadual, de diversas formações e níveis da saúde, tendo como critério de inclusão o envolvimento nas diferentes etapas de utilização do SIAB.

Os autores verificaram que o Sistema de Informação apresenta potencialidades, porém tem sua utilização voltada para a coleta dos dados e disseminação para demais instâncias; é subutilizado para o processo decisório frente à natureza do processo de trabalho e modelo da assistência que não enfoca na análise critica dos dados e pela falta de qualificação dos profissionais.

Em Gana21, uma pesquisa realizada no distrito KassenaNankana, analisou o custo de implementação de Sistema de Apoio à Decisão Clínica assistida por computador nos centros de saúde. Os participantes em sua maioria foram enfermeiros e teve por objetivo gerir os doentes que frequentam clínicas de pré-natal e da sala de parto. Utilizou-se a análise de custos, onde os custos que foram agrupados em pessoal, treinamento, despesas gerais e os custos dos equipamentos.

Com a implantação do apoio assistido por computadores, observou-se uma diminuição na proporção de complicações durante o parto (pré-intervenção de 10,74% versus pósintervenção 9,64%) e uma redução no número de mortes maternas (pré-intervenção 04 e pós-intervenção 01 morte). Em síntese, o estudo forneceu informações úteis para melhorar a saúde, a prática de orientações e principalmente tomada de decisões precisas para melhorar a saúde materna21.

Em um complexo estudo realizado em Cuba22, com o objetivo de avaliar os resultados de uma estratégia implementada entre 2008 e 2011, para desenvolver a capacidade da enfermagem nos sistemas de saúde e serviços em Havana, a autora desenvolveu o método em quatro etapas: inscrição de abordagens aos sistemas de saúde e de investigação serviços por enfermeiros em todo o mundo e em Cuba; análise das capacidades atuais para esse tipo de pesquisa em Cuba; projeto de intervenção e implementação; e avaliação.

Com a inclusão de mais de 105 enfermeiros dos institutos que estavam envolvidos em equipes de investigação formada durante a implementação da intervenção, a pesquisa mostrou ser uma estratégia eficaz para capacitação sistemática da equipe de enfermagem que atua nos sistemas e serviços de saúde, além de contribuir para o desenvolvimento profissional e a qualidade da assistência prestada, através de informações qualificadas que subsidiam as investigações e decisões destes profissionais22.

A implantação dos SIS nos serviços se consolidou como uma ação sem retorno, os autores deixam claro este pensamento, descrevem em seus estudos que mesmo tendo a perceptibilidade desta eminente necessidade e, do retorno na qualidade da assistência direta e indireta ofertada, ainda existem diversos obstáculos para a compreensão e manejo desta nova ferramenta, que auxiliará na identificação de problemas e tomada de decisões. Os SIS podem ser importantes aliados, desde que, diante das informações presentes no cotidiano dos serviços, os profissionais sejam capazes de ter acesso, responsabilidade e compromisso de transformar a informação em ação.

Avaliações dos Sistemas de Informação em Saúde

Através da avaliação, em seus diversos métodos, é possível identificar “nós” ou possibilidades ainda não detectadas, e ainda determinar, se os resultados apresentados pelos sistemas satisfazem ou não as metas dos serviços de saúde.

No estudo realizado na Suécia23, foi descrito a experiência dos telenurses (serviço telefônico de suporte de enfermagem a população), em executar suas atividades com sistemas informatizados de apoio à decisão e como tais sistemas poderiam influenciar o seu trabalho. Realizada com oito enfermeiras de três centros de chamadas telefônicas (Call Center), os resultados apresentados evidenciaram o reconhecimento pelos telenurses da importância de um sistema informatizado que apoie suas decisões, e que, embora forneça maior segurança, principalmente, quando o próprio conhecimento é limitado, tal sistema não pode substituir a experiência, competência e o conhecimento dos enfermeiros, devendo ser considerado como um complemento no processo decisório.

Randell et al24 realizaram uma pesquisa na Inglaterra em que foi explorada a natureza das decisões dos enfermeiros da atenção primária e o impacto na sua utilização, através de uma análise de 410 consultas de enfermagem, registradas no sistema de informação, e entrevistas com 76 enfermeiros. Os resultados destacam a gama de ferramentas disponíveis para a tomada de decisões, que perpassam por conceitos teóricos pré-estabelecidos às situações do cotidiano. Apesar de suas decisões serem vistas como estando relacionadas com o ambiente de trabalho, e também, no acesso ao sistema de informação computadorizado, os achados chamaram a atenção para a maneira pela qual a natureza das decisões feitas por enfermeiros varia entre os diferentes ramos da enfermagem, e estão intimamente implicadas com suas habilidades para utilização desta ferramenta.

Os estudos a seguir apresentam resultados em diversas regiões do Brasil acerca da informação como instrumentos de avaliação, gestão e suporte a tomada de decisões no ambiente da atenção em saúde.

Realizada no município de Santo Antônio de Jesus – BA25, este estudo de caso objetivou descrever a situação de saúde da população adscrita de uma unidade de saúde no recôncavo baiano. Através de um estudo de corte transversal, os dados fornecidos pelo SIAB possibilitaram conhecer o perfil demográfico e sócio-sanitário de um determinado território, identificando as suas necessidades quanto às condições de moradia e saneamento básico que podem interferir no processo saúde-doença. Demonstrou a necessidade de ações gerenciais que permitam articulações para soluções dos problemas encontrados no sistema de informação.

No município de Cuiabá/MT, a produção de dados do Sistema de Informação do Pré Natal – SISPRENATAL foi o escopo da pesquisa27, que objetivou analisar o processo de produção de dados advindos do sistema. Estudo multidisciplinar com a participação de todos os profissionais envolvidos: enfermeiros, médicos, gestores e digitadores. Os resultados revelaram a existência de vários fatores que comprometem a fidedignidade das informações geradas por esse SIS, tais como: preenchimento inadequado e por vezes divergentes das fichas, falhas no próprio sistema, dentre outros; requerendo a adoção de medidas para superaras às barreiras encontradas.

Na pesquisa realizada no município de Niterói/RJ28, os autores buscaram refletir sobre a relação entre as informações dos SIS e o processo de tomada de decisão em uma unidade de saúde, por meio da avaliação da completitude dos registros da notificação compulsória e posteriormente, discussão de possíveis implicações para a vigilância epidemiológica da dengue e ações implementadas. O estudo Documental apresentou como resultado uma deficiência na completitude, com pouca continuidade, dada às investigações epidemiológicas e sinais clínicos apresentados. E concluem que, os SIS já demonstraram ser uma poderosa ferramenta a ser utilizada pelos gestores nos processos de tomada de decisão, mas advertem que, para que isso ocorra, todos os profissionais envolvidos precisam estar familiarizados não apenas com o SIS a ser utilizado, mas também com seus objetivos e sua importância para o gerenciamento da assistência em saúde.

Com o objetivo de descrever a oferta e demanda de serviços de saúde de atenção básica (AB) em treze municípios da metade sul do Estado do Rio Grande do Sul, os pesquisadores29 recorreram as informações disponibilizadas no sítio do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde - DATASUS. Estudo quantitativo das frequências absolutas de consultas e procedimentos no período de 2000 a 2005, em que os resultados mostram uma diversidade de situações na atenção básica em saúde, que vão desde a ausência (ou mesmo o excesso), até o atendimento constante em todo o período, de atendimentos básicos possibilitando diferentes interpretações para as situações encontradas.

Neste estudo, os autores descrevem que, apesar de não ter sido possível avaliar as dinâmicas locais, o SIS pôde auxiliar na identificação de possíveis disparidades regionais e funcionais relacionadas à oferta e à demanda por serviços de saúde, além de, fornecer pistas de iniquidades existentes. Fica claro a existência de um banco de dados falho, com subnotificações das consultas e procedimentos realizados na AB em saúde, ou mesmo uma ausência de oferta e/ou demanda por serviços de AB nos municípios estudados29.

Independente da metodologia a ser empregada para avaliação dos SIS, é fundamental que o seu entendimento permita saber se o sistema está ou não atingindo os objetivos previamente estabelecidos pelos serviços de saúde. Há que se considerar, também, a qualidade das informações, bem como, o que se espera desta qualidade para subsidiar as decisões. Para tanto, diversas estratégias são recomendadas aos profissionais para sua qualificação e inserção, permitindo a compreensão desta ferramenta como corroboradora das suas decisões no cotidiano de trabalho30-31.

CONCLUSÕES

A análise dos 11 estudos da amostra possibilitou sintetizar o conhecimento da literatura nacional e internacional sobre utilização oportunizada pelos SIS ao enfermeiro de rede básica de saúde em seu cotidiano de trabalho.

Os Sistemas de Informação são ferramentas benéficas para os profissionais e gestores em saúde, em seus diferentes níveis de atenção para o enfrentamento dos problemas de saúde. Possibilita uma visão ampliada dos agravos, permitindo que ações sejam planejadas de acordo com as características situacionais. No que concerne à informação oportuna, os estudos evidenciam ser uma ferramenta de imperial valia para subsidiar as tomadas de decisão na rede básica, levando a um impacto efetivo tanto na área assistencial como em todo o processo administrativo.

Os autores comprovaram na maioria de suas pesquisas que os profissionais envolvidos na atuação desses sistemas não compreendem, em sua totalidade, a importância e as finalidades, assim como a utilidade dos dados registrados nos sistemas de informação no cotidiano profissional. Demonstram que há muitas dúvidas no que diz respeito ao preenchimento e alimentação dos sistemas, e ainda a ausência de clareza na sua utilização, o que resulta na falta de precisão do processo de informação. Estas fragilidades apontadas nos estudos levam a pensar na educação permanente como solução para capacitação profissional e consequentemente confiabilidade nos dados contidos nos SIS.

A enfermagem de rede básica de saúde tem se constituído cada vez mais como uma profissão com ações autônomas em funções estendidas, no entanto, pouco se sabe sobre a natureza das decisões tomadas, pois é este processo de tomada de decisão que irá afetar a estrutura, a produção e os produtos do cotidiano de trabalho. Cabe então, coordenar esforços que permitam garantir a este profissional adequada utilização da ferramenta SIS.

Referências

1. Branco MAF. Informação e saúde: uma ciência e suas políticas em uma nova era. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2006.

2. Carvalho AO, Eduardo MBP. Sistemas de informação em saúde para municípios. São Paulo: Série Saúde e Cidadania. Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

3. Moraes IHS. Informação em Saúde: a prática fragmentada ao exercício da cidadania. São Paulo: HUCITEC/ABRASCO, 1994.

4. Moraes IHS. Política, tecnologia e informação em saúde: a utopia da emancipação. Salvador: Casa da Qualidade, 2002.

5. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização PanAmericana da Saúde – Representação, 2011.

6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Departamento de Informática do SUS. A construção da política nacional de informação e informática em saúde: proposta versão 2.0: (inclui deliberações da 12.ª Conferência Nacional de Saúde) / Ministério da Saúde, Secretaria-Executiva, Departamento de Informática do SUS. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2005.

7. Marin HF, Cunha IICKO. Perspectivas atuais da Informática em Enfermagem. Rev. bras. enferm. 2006; 59(3): 354-357.

8. Guimarães EMP, Évora YDM. Sistema de informação: instrumento para tomada de decisão no exercício da gerência. Ci. Inf., Brasília, v. 33, n. 1, p. 72-80, jan./abril 2004.

9. Marquis BL, Huston CJ. Administração e Liderança em Enfermagem. 6ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2015.

10. Polit DF, Beck CT. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática de enfermagem. 7ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

11. Mendes KDS; Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto contexto-enferm. 2008 17(4):758-64.

12. Brasil. Ministério da Saúde. A experiência brasileira em sistemas de informação em saúde / Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde, Fundação Oswaldo Cruz. – Brasília: Ed. Ministério da Saúde, 2009.

13. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Departamento de Informática do SUS. A construção da política nacional de informação e informática em saúde: proposta versão 2.0: (inclui deliberações da 12.ª Conferência Nacional de Saúde) / Ministério da Saúde, SecretariaExecutiva, Departamento de Informática do SUS. – Brasília: Ed. Ministério da Saúde, 2005.

14. Figueiredo AM, Souza SRG. Como elaborar Projetos, Monografias, Dissertações e Tese: da redação científica à apresentação do texto final. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

15. Melnyk BM, Fineout-Overholt E. Making the case for evidence-based practice. In: Melnyk BM, Fineout-Overholt E. Evidence-based practice in nursing & healthcare: a guide to best practice. Philadelphia: Lippincot Williams & Wilkins. 2006; 3-24.
16. Marconi MA, Lakatos EM. Fundamentos de metodologia científica. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2010.

17. Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão Integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010; 8(1): 102-6.

18. Rouquayrol MZ, Gurgel M. Epidemiologia e Saúde - 7ª Ed., Rio de Janeiro: Medbook, 2013. 19. Santos AF, Ferreira JM, Queiroz NR, Magalhães Júnior HM. Estruturação da área de informação em saúde a partir da gerência de recursos informacionais: análise de experiência. Rev Panam Salud Publica 2011; 29(6).

20. Cavalcante RB, Bernardes MFGV, Gontijo TL, Guimarães EAA, Oliveira VC. Sistema de informação da atenção básica: potencialidades e subutilização no processo decisório. Cogitare Enferm. 2013; 18(3): 460-7.

21. Dalaba MA, Akweongo P, Williams J, Saronga HP, Tonchev P, et al. Costs Associated with Implementation of Computer- Assisted Clinical Decision Support System for Antenatal and Delivery Care: Case Study of KassenaNankana, District of Northern Ghana. PLOS ONE. Sep 2014; 9(9): e106416

22. Nelcy Martínez MPH. Developing Nursing Capacity for Health Systems and Services Research in Cuba, 2008–2011. MEDICC Review. 2012; 14, No 3.

23. Ernesäter A, Holmström I, Engström M. Telenurses experiences of working with computerized decision support: supporting, inhibiting and quality improving. Journal of Advanced Nursing, 2009; 65(5): 1074–1083.

24. Randell R, Mitchell N, Thompson C, McCaughan D, Dowding D. Supporting nurse decision making in primary care: exploring use of and attitude to decision tools. Health Informatics Journal. 2009; 15(1): 5-16.

25. Souza RG, Rivemales MCC, Souza MKB. Sistema de informação da atenção básica como instrumento de Gestão: estudo de caso em Santo Antônio de Jesus/BA. Online Brazilian Journal of Nursing, 2012; 11(1): 220-28.

26. Duarte MLC, Tedesco JR, Parcianello RR. O uso do sistema de informação na estratégia saúde da família: Percepções dos enfermeiros. Rev Gaúcha Enferm. 2012; 33(4): 111-117. 27. Lima AP, Corrêa ACP. A produção de dados para o Sistema de Informação do Pré-Natal em unidades básicas de saúde. Rev Esc Enferm USP 2013; 47(4): 876-83.

28. Barreto PA, Braga ALS, Andrade M. Avaliação da completitude dos registros de dengue: estudo exploratório das notificações compulsórias. Online Brazilian Journal of Nursing, 2012; 11(1): 829-47.

29. Gerhardt TE, Pinto JM, Riquinho DL, Roese A, Santos DL, Lima MCR. Utilização de serviços de saúde de atenção básica em municípios da metade sul do Rio Grande do Sul: análise baseada em sistemas de informação. Ciência & Saúde Coletiva, 2011; 16(1): 1221-1232.

30. Nogueira C, Santos SAS, Cavagna VM, Braga ALS, Andrade M. Information system of primary care: integrative review of literature. Revista de Pesquisa: Cuidado e Fundamental, 2014; 6: 27-37.

31. Braz DF, Braga ALS, Fernandes JL, Brandão ES. Sistema de informação em saúde: conceções e perspetivas dos enfermeiros sobre o prontuário eletrónico do paciente. Referência (Coimbra), 2011; 5: 113-119.