Revista  Enfermagem Atual

Nosso contato
enfermagematual2017@gmail.com
+55 (21) 2259-6232
Nosso endereço
[ISSN 1519-339X ] Impressa
Rua México, 164, SALA 62
Centro | RJ - 20031-143

Diagnósticos de enfermagem no contexto pediátrico

Nursing diagnosis in pediatric context
  • André Luiz Gomes de Oliveira
  • Zenith Rosa Silvino

Declaração da ausência de conflitos de interesse: Os autores declaram não haver conflitos de interesse nem fontes de financiamento.

RESUMO

Objetivo: realizar revisão integrativa da literatura nacional e internacional acerca dos diagnósticos de enfermagem no contexto pediátrico. Método: Realizou-se em agosto de 2015 a busca, com os descritores: “diagnóstico de enfermagem” e “enfermagem pediátrica” e limitação “criança” e nas bases Lilacs, IBECS, Scielo, BDENF e Medline e CUMED. Incluíram-se todos os artigos disponíveis nos idiomas português, inglês e espanhol, publicados no período de 2011 até agosto de 2015 e que tratavam da temática sobre diagnósticos de enfermagem no contexto pediátrico. Resultados: compuseram os resultados deste estudo 05 artigos dos quais 60% foram encontrados na base de dados LILACS. Prevaleceram as publicações ocorridas a partir do ano 2012, nacionais e no idioma Português (100%). 100% dos estudos são descritivos e 60% de abordagem quantitativa. No que se referem aos diagnósticos de enfermagem, 80% dos estudos utilizaram a terminologia NANDA-I para classificar os diagnósticos nos diversos contextos da enfermagem pediátrica. Conclusão: deve-se estimular o uso das terminologias padronizadas para fundamentar o processo de enfermagem, sobretudo no contexto pediátrico.

Palavras-chave: Enfermagem; Diagnóstico de enfermagem; Enfermagem pediátrica.


SUMMARY - Objective: To perform integrative review of national and international literature about nursing diagnoses in pediatric context. Method: This was in August 2015 the search with the descriptors: nursing diagnosis and pediatric nursing plus limiting child in Lilacs databases, IBECS, Scielo, BDENF, MEDLINE and CUMED. Included are all articles available in Portuguese, English and Spanish, published between 2011 and August 2015, and dealt with the theme of nursing diagnoses in pediatric context. Results: the results of this study 05 articles of which 60% were found in the LILACS database. Prevailed publications beginning in the year 2012, national and Portuguese language (80%). 100% of the studies are descriptive and 60% quantitative approach. As refer to nursing diagnoses, 80% of the studies used the NANDA-I terminology to classify diagnoses in different contexts of pediatric nursing. Conclusion: should encourage the use of standardized terminology to support the nursing process, particularly in pediatric settings.

Keywords: Nursing; Nursing diagnosis; Pediatric nursing.

INTRODUÇÃO

A necessidade de a enfermagem utilizar uma linguagem universal, padronizada, que lhe dê características específicas, é fundamental para o desenvolvimento da profissão em quaisquer que sejam os seus contextos de atuação.

Sabe-se que no contexto pediátrico a hospitalização é cada vez mais frequente. Em 2012, somou-se mais de um milhão de crianças hospitalizadas por diversas causas, sendo essas geradoras de impactos negativos sobre a vida das crianças que são retiradas de suas casas e do convívio com seus parentes e amigos, por até diversos dias. Dentre os principais impactos destacam-se o medo, a ansiedade e a tristeza1. Diante disso, reconhece-se a complexidade do cuidado de enfermagem pediátrico que deverá ser desenvolvido de forma sistematizada e fundamentada em bases legais, científicas, metodológicas e teóricas. Para tanto, sobreleva-se a importância do cumprimento da Resolução do Conselho Federal de Enfermagem no 358 de 2009, que determina que as etapas do Processo de Enfermagem sejam realizadas em todas as instituições de saúde onde os cuidados de enfermagem são prestados2. Sobretudo se este estiver fundamentado em um sistema de classificação de sua linguagem e, nesse sentido, destaca-se a terminologia NANDA Internacional (NANDA-I)3. Terminologia desenvolvida na década de 70, a NANDA-I é considerada uma ferramenta para padronização diagnóstica que pode ser amplamente utilizada nos contextos de atuação da enfermagem, inclusive no contexto pediátrico.

Assim, destaca-se a importância da implementação do processo de enfermagem, fundamentando em uma terminologia, nos serviços de enfermagem pediátrica para a identificação dos problemas que determinarão os diagnósticos pertinentes a cada paciente.

No entanto, são comumente descritas as dificuldades operacionais para desenvolver o processo de enfermagem com a implementação de uma linguagem padronizada, quer seja pelo déficit de profissionais, quer seja por falta de conhecimento técnico-científico dos enfermeiros para desenvolvê-los4.

Diante do exposto, este estudo teve como objetivo realizar revisão integrativa da literatura nacional e internacional acerca dos diagnósticos de enfermagem no contexto pediátrico.

MÉTODO

Para o alcance do objetivo proposto, selecionou-se como método de pesquisa a revisão integrativa, delimitando-se as seguintes etapas percorridas: identificação do problema ou da temática (elaboração da pergunta norteadora, estabelecimento de descritores e dos critérios para inclusão/ exclusão de artigos); amostragem (seleção dos artigos); categorização dos estudos; definição das informações aserem extraídas dos trabalhos revisados; análise e discussão a respeito das tecnologias utilizadas/desenvolvidas e síntese do conhecimento evidenciado nos artigos analisados ou apresentação da revisão integrativa5-6.

Assim, estabeleceu-se a seguinte pergunta norteadora: Qual é a produção científica nacional e internacional acerca dos diagnósticos de enfermagem em pediatria?

Para tanto, realizou-se em agosto de 2015 a busca nas bases Lilacs, IBECS, Scielo, BDENF, Medline e CUMED, utilizandose a terminologia em saúde consultada nos Descritores em Ciências da Saúde (DeCS) e Medical Subject Headings (MeSH), de acordo com a seguinte estratégica de busca: “diagnóstico de enfermagem” AND “enfermagem pediátrica”.

Adotaram-se como critérios de inclusão todos os artigos disponíveis on-line nos idiomas português, inglês e espanhol com a limitação “criança”, publicados no período de 2011 até agosto de 2015, e que tratavam da temática sobre diagnósticos de enfermagem no contexto pediátrico. Foram excluídos aqueles que se apresentaram sob a forma de editoriais, cartas ao editor, estudos reflexivos, relatos de experiência, publicações duplicadas, dissertações, teses bem como estudos que não abordassem temática relevante ao objetivo da revisão.

A busca resultou em 88 referências levantadas nas seis referidas bases de dados. Destas, 79 foram excluídas por não abordarem a temática dos diagnósticos de enfermagem no contexto pediátrico, dois repetiam-se em outras bases de dados e duas foram descartadas por não se enquadrarem na categoria de estudos primários (Figura 1).


Para a seleção das publicações, inicialmente, leu-se exaustivamente cada título e resumo para confirmar se eles contemplavam a pergunta norteadora desta investigação e se atenderiam aos critérios de inclusão e exclusão estabelecida.

Os artigos selecionados foram apresentados de modo a permitir a análise por meio da: identificação do estudo (título do artigo, país, ano de publicação); características metodológicas do estudo (tipo de publicação, tecnologia utilizada/desenvolvida, público-alvo das mesmas) e desfecho.

A análise dos dados exigiu tradução, leitura e releitura dos artigos. A seguir, extraíram-se os principais dados com a utilização dos instrumentos supracitados. Além disso, foram construídos quadros contendo informações detalhadas de cada artigo, facilitando análise posterior.

Por fim, os referidos dados foram codificados e formatados em planilha do Excel. Para análise dos dados, realizaram-se operações estatísticas simples de distribuição de frequência absoluta e relativa. Assim, após o percurso metodológico descrito, selecionaram-se ao todo cinco artigos que contemplaram a pergunta norteadora do presente estudo, bem como atendiam aos critérios previamente estabelecidos.

RESULTADOS

No Quadro 1 apresentam-se as principais características dos artigos.


Por meio da análise dos cinco artigos selecionados, verificou-se que 60% destes foram encontrados na base de dados LILACS. Observou-se que prevaleceram as publicações ocorridas a partir do ano 2012 (100%), 80% nacionais e, portanto, no idioma Português (80%), realizado em sua maioria por revistas da região Sudeste do Brasil, representada por 80% do total de publicações. Quanto à origem dos autores ocorreram de forma semelhante nas regiões Sudeste e Nordeste do Brasil, com 40% em ambas. Em se tratando das características dos estudos, observa-se que 100% dos estudos são descritivos, sendo 60% destes de abordagem quantitativa.

No que se refere aos diagnósticos de enfermagem, os resultados desta pesquisa mostram que 80% dos estudos utilizaram a terminologia NANDA-I11 e CIPESC® (20%) para classificar os diagnósticos de enfermagem nos diversos contextos da enfermagem pediátrica: acidentes domésticos, crianças e adolescentes hospitalizados, consulta de enfermagem em puericultura, violência infantil e oncologia.

DISCUSSÃO

No Brasil, tem se tornado crescente a preocupação dos serviços de saúde em atender às determinações da Resolução 358/09 do Conselho Federal de Enfermagem, que determina a execução da Sistematização da Assistência de Enfermagem e consequentemente do Processo de Enfermagem aos quais objetivam a qualificação do cuidado de enfermagem2. Além disso, devem ser considerados fatores importantes, quando se trata de cuidados de enfermagem em pediatria, como o impacto causado pela hospitalização infantil. Dados do Ministério da Saúde do Brasil apontam que em 2013 ocorreram 38.966 óbitos em crianças em crianças de zero a quatro anos, por causas evitáveis, como as doenças diarreicas12 e, em 2014, foram registrados 1.226.539 casos de hospitalização infantil13 gerando afastamento destas crianças de seus familiares, além de suas escolas. Pode-se dizer que a hospitalização de crianças gera impactos negativos na vida destes e de seus familiares. Desta forma, se reconhece a complexidade do cuidado da enfermagem pediátrica, que deve ser desenvolvido de forma sistematizada e fundamentada em conhecimento científico, metodológico, teórico e bases legais. O desenvolvimento de estudos que abordam os diagnósticos de enfermagem pode contribuir à qualificação do cuidado de enfermagem e redução da hospitalização.

Nos cinco artigos selecionados, observa-se tal preocupação por parte dos enfermeiros, bem como, há uma confluência em seus achados. Outro aspecto interessante parece ser que a maior parte dos artigos trabalha a nomenclatura da NANDA-I, como padrão de diagnósticos4,7,9,10.

No artigo4, foram identificados 184 diagnósticos de enfermagem, ocorrendo em média de 5.1 por criança participante do estudo. Percebe-se que este achado é de suma importância por proporcionar uma visão mais individualizada da criança hospitalizada e colaborar com as demais etapas do processo de enfermagem. Já no artigo7 pode-se obter uma visão das possibilidades de diagnósticos de enfermagem na criança dentro do seu contexto social. Outro fator importante deste artigo refere-se à contribuição que proporciona no conhecimento da realidade encontrada em crianças expostas ao HIV quando fora do ambiente hospitalar. A infecção pelo HIV em si só já carrega inúmeros estigmas e preconceitos ocasionando dificuldades nas pessoas soropositivas para conseguir manter uma vida normal14. Os achados do artigo demostram que os riscos intra-domiciliares das crianças soropositivas são semelhantes aos de outras crianças não soropositivas em sua faixa etária, o que não significa dizer que não há de se ter cuidados, mas sim, prestar orientações à família com precauções padrão para riscos de contaminação por fluidos.

No artigo8, há um mapeamento dos riscos de violência, que podem ser identificados pela equipe de enfermagem, por ocasião da consulta de enfermagem o que pode de sobremaneira, somar esforços à diminuição destes casos. Dados da UNICEF apontam que, a cada dia no Brasil, são reportados, em média, 129 casos de violência psicológica e física, incluindo a sexual, e negligência contra crianças e adolescentes15. Devese considerar que, muitas vezes, não são realizados registros e que, por conseguinte, trata-se de estatísticas menores do que as ocorrências reais.

Observa-se nos artigos estudados que, embora as taxonomias utilizadas sejam diferentes, há características comuns entre os diagnósticos de enfermagem apresentados. Por outro lado, identifica-se também, uma semelhança muito grande nos domínios e diagnósticos de enfermagem NANDA-I, presentes nos artigos, o que permite a conclusão de que na população pediátrica os diagnósticos de enfermagem ocorrem de forma muito parecida em diversos contextos em que seja realizado o cuidado de enfermagem, quer seja no domicílio, na atenção primária ou na atenção hospitalar. Autores conceituados afirmam que a Sistematização da Assistência de Enfermagem eleva a qualidade da assistência de enfermagem, beneficiando tanto o paciente, através de um atendimento individualizado, assim como a enfermeira, mostrando a importância do processo de enfermagem16. Daí a grande importância dos serviços de saúde implementarem o Processo de Enfermagem, pois este proporciona a individualidade do cuidado de enfermagem, mediante a identificação dos diagnósticos e intervenções de enfermagem pertinentes, da mesma forma, que permite ao enfermeiro a avaliação da resposta do paciente aos diagnósticos e intervenções de enfermagem implementadas para resolução dos problemas apresentados pelo paciente. Na assistência pediátrica, a identificação dos diagnósticos de enfermagem é um elemento importante de contribuição para que os serviços de pediatria consigam cumprir com a agenda de compromissos com a saúde integral da criança e redução da mortalidade infantil, no que tange à assistência resolutiva17.

CONCLUSÕES

Os enfermeiros precisam ajustar as práticas de avaliação de acordo com evidências científicas, para melhorar o cuidado no contexto pediátrico. A implementação do processo de enfermagem, fundamentado nos diagnósticos de enfermagem com base em uma terminologia padronizada internacionalmente, fundamenta e consolida as suas ações que, por sua vez, também poderão ser difundidas.

Neste estudo, evidenciou-se diante dos artigos selecionados, que a enfermagem tem utilizado na maioria dos casos a terminologia NANDA-I para determinação diagnóstica no contexto pediátrico. No entanto, ressalta-se que o número reduzido de publicações que abordam essa temática denota a necessidade de ampliar as pesquisas nesta área do conhecimento para assim universalizar seus conceitos e consolidar ainda mais esta profissão.

Referências

1. Roque MS, Capucho CR, Soares SD, Aparecida RL, Carvalho EC. Classificação Internacional para a prática de enfermagem e contribuição brasileira. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2010 [acesso em 10 de agosto de 2015]; 63(2): 285-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v63n2/18.pdf.

2. COFEN. Resolução n.358 de 15 out 2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências. Disponível em: http://www.coren-ro. org.br/resolucao-cofen-35809-dispoe-sobre-a-sistematizacao-da-assistenciade-enfermagem-e-a-implementacao_800.php. Acesso: 09 de agosto de 2015.

3. Chaves GRC, Nunes SFS, Fidélis CS. Diagnósticos de Enfermagem segundo a Taxonomia II da NANDA internados em uma unidade de terapia intensiva de Imperatriz, Maranhão. J Manag Prim Health Care [internet]. 2014 [acesso em 10 de agosto de 2015]; Disponível em: http://seer.ibict.br/index. php?option=com_mtree&task=viewlink&link_id=2055&Itemid=109

4. Bezerra PAPL, Nóbrega MML. Diagnóstico de enfermagem em crianças hospitalizadas utilizando a NANDA-I: estudo de caso. Online braz j nurs [Internet]. 2012 [acesso em 10 de Agosto de 2015]; 11(1):68-78 Disponível em: http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/3553/pdf_2

5. Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010; 8(1 Pt 1):102-6. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ eins/v8n1/pt_1679-4508-eins-8-1-0102.pdf

6. Pompeo DA, Rossi LA, Galvão CM. Revisão integrativa: etapa inicial do processo de validação de diagnóstico de enfermagem. Acta paul. enferm. [Internet]. 2009 [acesso em 10 de Agosto de 2015]; 22(4): 434-438. Disponível em: http://www. scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002009000400014&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002009000400014.

7. Lima ICV, Pedrosa NL, Galvão MTG, Aguiar LFP, Paiva SS, Holanda ER. Acidentes domésticos e diagnósticos de enfermagem de crianças nascidas expostas ao HIV. Esc Anna Nery. [Internet]. 2014 [acesso em 10 de Agosto de 2015]; 18(2):215-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/ v18n2/1414-8145-ean-18-02-0215.pdf.

8. Apostólico MR, Hino P, Egry EY. As possibilidades de enfrentamento da violência infantil na consulta de enfermagem sistematizada. Rev Esc Enferm. USP [Internet]. 2013 [acesso em 10 de Agosto de 2015]; 47(2):320-327. Disponível em: http://www. scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342013000200007&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342013000200007.

9. Rodríguez QM, Rincón RYZ, Reyes GA, Fajardo PMT, Orozco VLC, Camargo FFA. Prevalencia de los diagnósticos de enfermería en niños que reciben tratamiento oncológico. Enfermería Global [Internet] 2012. [acesso em 10 de Agosto de 2015]; 27: 77-86. Disponível em: http://scielo.isciii.es/scielo. php?pid=S1695-61412012000300005&script=sci_arttext.

10. Góes FSN, Fonseca LMM, Furtado MCC, Leite AM, Scochi CGS. Avaliação do objeto virtual de aprendizagem “Raciocínio diagnóstico em enfermagem aplicado ao prematuro”. Rev Latino-Am Enferm [Internet] 2011. [acesso em 10 de Agosto de 2015];19(4):[08 telas]. Disponível em: http://www.scielo. br/pdf/rlae/v19n4/pt_07.pdf.

11. North American Nursing Diagnosis Association. Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificações 2012-2014. Porto Alegre: Artmed, 2012.

12. Ministério da Saúde (BR). Óbitos por região. [Internet] 2015. [Acesso em 10 de agosto de 2015]; Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/ tabcgi.exe?sim/cnv/inf10uf.def.

13. Ministério da Saúde (BR). Óbitos por região. [Internet] 2015. [Acesso em 10 de agosto de 2015]; Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/ tabcgi.exe?sim/cnv/inf10uf.def.

14. Ministério da Saúde (BR). Portal sobre DST, Aids e Hepatites Virais. [Internet]. 2015 [Acesso em 10 de agosto de 2015]; Disponível em: http://www.aids. gov.br/pagina/relacionamento-pessoal-e-social

15. Unicef Brasil. [Internet] 2015. Infância e Adolescência no Brasil. [Acesso em 10 de agosto de 2015]; Disponível em: http://www.unicef.org/brazil/pt/ activities.php.

16. Cunha SMB, Barros ALBL. Análise da implementação da Sistematização da Assistência de Enfermagem, segundo o Modelo Conceitual de Horta. Rev Bras Enferm [Internet] 2005 [Acesso em 10 de agosto de 2015]; 58(5):56872. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v58n5/a13v58n5.pdf.

17. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Agenda de Compromissos com a Saúde Integral da Criança e Redução da Mortalidade Infantil. [Internet] 2013. [Acesso em 10 de agosto de 2015]; Disponível em: http://bvsms.saude.gov. br/bvs/publicacoes/agenda_compro_crianca.pdf.