Revista  Enfermagem Atual

Nosso contato
enfermagematual2017@gmail.com
+55 (21) 2259-6232
Nosso endereço
[ISSN 1519-339X ] Impressa
Rua México, 164, SALA 62
Centro | RJ - 20031-143

A ATUAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE NO PROCESSO DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS: REVISÃO INTEGRATIVA

THE PERFORMANCE OF HEALTH PROFESSIONALS IN THE PROCESS OF ORGAN DONATION: INTEGRATIVE REVIEW
  • Thiago Nogueira da Silva
  • Claudia Mara de Melo Tavares
  • Paula Isabella Marujo Nunes da Fonseca
  • Fernanda Laxe Marcondes
  • Raísa Correia de Souza
  • Laís Mariano de Sousa

RESUMO

Estudo objetiva analisar as evidências disponíveis na literatura acerca das ações dos profissionais de saúde para a realização das etapas de doação de órgãos e tecidos, excluindo-se o transplante. Trata-se de revisão integrativa que utilizou artigos do Portal CAPES, das bases de dados MEDLINE e LILACS, no período de Janeiro de 2010 à Abril de 2015. Os critérios de inclusão, foram artigos: publicados na integra; em português, inglês e espanhol. Selecionou-se quinze artigos que foram submetidos a análise de conteúdo. Assim, emergiram três categorias: 1) Desencadeando a doação de órgãos, 2) Atuação dos profissionais na educação para doação de órgãos e 3) Aperfeiçoamento das fases da doação. Foi possível compreender que a construção de ferramentas que desencadeiam as doações de órgãos exigem estratégias eficazes sendo identificados estudos que abordam a atuação dos profissionais na educação para doação de órgãos e ainda uma necessidade do aperfeiçoamento das etapas que se seguem até o transplante. Assim, é preciso que se tomem atitudes essenciais como treinamento, a capacitação, a adoção de estratégias para aumentar a motivação dos profissionais envolvidos no processo doação/transplante além da multiplicação de novos estudos e dos conhecimentos produzidos visando às necessidades destes profissionais.

Descritores: Transplantes; Pessoal de Saúde; Doação Dirigida de Tecido; Saúde Mental.


SUMMARY - Study aims to analyze the available evidence in the literature about the actions of health professionals to perform the steps of organ and tissue donation, excluding transplantation. This is an integrative review that used items Portal CAPES, the MEDLINE and LILACS databases from January 2010 to April 2015. Inclusion criteria were articles: published in full; in Portuguese, English and Spanish. Fifteen selected articles submitted to content analysis. Thus, three categories emerged: 1) Unleashing organ donation, 2) professional Performance in education for organ donation and 3) improvement of the phases of donation. It was possible to understand that the construction of tools that trigger organ donations require effective strategies being identified studies that address the role of professionals in education for organ donation and still a need for improvement of the steps that follow until transplantation. Thus, it is necessary to take essential actions such as training, capacity building, adoption of strategies to increase the motivation of the professionals involved in the donation process / transplantation beyond the multiplication of new studies and knowledge produced with the needs of these professionals.

Keywords: Transplants; Health Personnel; Directed Tissue Donation; Mental Health.

INTRODUÇÃO

O transplante de órgãos é uma opção para diminuir o sofrimento causado por patologias graves e complexas. Para que este ocorra com sucesso, é necessário que aconteça a doação dos órgãos. Em geral, se dá por meio de um processo que envolve etapas que dispõe de níveis técnicos e burocráticos diferentes.

De modo geral, alguns dos pontos principais que precisam ser seguidas pelos profissionais que atuam no processo de transplantes de órgãos, são1,2

Figura 1: Como funciona o processo de doação de órgãos? FONSECA, PIMN (autor), 2015

Figura 1: Como funciona o processo de doação de órgãos? FONSECA, PIMN (autor), 2015

É importante ressaltar que a divisão didática das etapas não significa que a realização de algumas delas se dê em separado, podendo alguns pontos se sobrepõem, por exemplo: a partir da identificação do potencial doador deve-se realizar a notificação para a Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos (CNCDO), e enquanto esta ação é executada o potencial doador já deve estar submetido a manutenção térmica e volêmica, de modo que se tente manter mais ajustada o possível a estabilidade hemodinâmica e as funções cardiorrespiratórias. Assim, enquanto esta manutenção é feita o Protocolo para avaliação da morte encefálica (ME) também deve estar em andamento. Em continuidade, ao passo da constatação da ME, prosseguem-se a entrevista familiar ao transplante.

É importante, neste processo, ressaltar ainda que os principais órgãos e tecidos com possibilidade de doação são as córneas, o coração, os pulmões, os rins, o fígado, o pâncreas, a pele e a medula óssea. Os transplantes de rins são os mais prevalentes, ao contrário dos de pâncreas que ocorrem com menor constância3.

Somente entre 15% e 20% dos doadores em potencial acabam sendo concretizados como doadores na maior parte dos países. Os fatores causais incluem a não detecção e/ou não notificação da morte encefálica; contraindicações médicas ou problemas na manutenção do potencial doador falecido; ou, ainda, a recusa familiar à doação4.

Diante deste contexto, reconhece-se a importância de estudos que focalizem as ações profissionais no processo da doação para a efetivação do transplante, uma vez que é reconhecida a quantidade e a complexidade dos passos a serem seguidos até a realização deste.

Com isso, o objetivo deste estudo é analisar as evidências disponíveis na literatura acerca das ações dos profissionais de saúde para a realização das etapas de doação de órgãos e tecidos, excluindo-se o transplante.

MÉTODOS

Trata-se de uma revisão integrativa, a qual permite a sintetização de estudos anteriormente realizados e a produção de sínteses do estado do conhecimento a respeito de um assunto. A partir daí, é possível elaborar conclusões gerais a respeito do assunto estudado, o que permitirá apontar as lacunas do conhecimento e, assim, sugerir a realização de novos estudos5.

As etapas metodológicas para a revisão integrativa foram: 1 - elaboração da pergunta norteadora, 2 - busca ou amostragem na literatura, 3 - coleta de dados, 4 - análise crítica dos estudos incluídos, 5 - discussão dos resultados, 6 - apresentação da revisão integrativa dos resultados5-7.

O levantamento dos dados ocorreu durante o período de fevereiro a abril de 2015, utilizando estudos publicados em Janeiro de 2010 a Abril de 2015, a partir das bases de dados LILACS – Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde – e MEDLINE – Medical Literature Analysis and Retrieval System Online – dispostos no Portal de Periódicos CAPES – Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior.

Desse modo, a questão que norteou o estudo foi: qual é a produção científica atualizada relacionada às ações dos profissionais de saúde para a execução das atividades concernentes à doação de órgãos e tecidos?

Para a busca de estudos relacionados com a temática, foram utilizados os seguintes descritores: “Transplante de Órgãos”, “Pessoal de Saúde” e “Doação Dirigida de Tecido”. Na primeira busca com cada um deles foram encontrados 277.897 artigos.

Para refinamento da busca, foi realizado o pareamento entre os descritores, em que foram selecionados 173 estudos (Tabela 1).

Tabela 1. Dados bibliométricos dos artigos selecionados para revisão integrativa. Niterói , RJ, Brasil, 2015.
PAREAMENTO DOS DESCRITORES

DESCRITORES / FONTES

LILACS

MEDLINE

CAPES

Total

Transplante de Órgãos and Pessoal de Saúde

16

41

24

81

Transplante de Órgãos and Doação Dirigida de Tecido

35

50

2

87

Pessoal de Saúde and Doação Dirigida de Tecido

1

2

2

5

Total

52

93

28

173


Em seguida, foram realizadas as leituras dos títulos e dos resumos, adotando como critérios de inclusão artigos disponíveis na integra, desenvolvidos nos últimos cinco anos; nos idiomas português, inglês e espanhol. Foram excluídos os artigos repetidos, editoriais, artigos reflexivos e teses diversas. Após aplicação dos critérios de inclusão e exclusão, foram selecionados, quinze estudos que contemplaram a temática.

Fluxograma 1. Caminho percorrido na identificação dos estudos investigados. Niterói , RJ, Brasil, 2015.
Fluxograma 1. Caminho percorrido na identificação dos estudos investigados. Niterói , RJ, Brasil, 2015.

Foi utilizada a técnica da análise de conteúdo(8) para organização e compreensão dos dados. A partir de leituras sucessivas destes, sobressaltaram as unidades de registro que formaram categorias temáticas a serem analisadas e discutidas à luz de literatura pertinente ao assunto.

RESULTADOS

Ao se buscar as ações desenvolvidas pelos profissionais de saúde no processo da doação de órgão no material investigado, emergiram três categorias: 1) Desencadeando a doação de órgãos, 2) Atuação dos profissionais na educação para doação de órgãos e 3) Aperfeiçoamento das fases da doação.

Tabela 2. Dados bibliométricos dos artigos selecionados para revisão integrativa. Niterói , RJ, Brasil, 2015.

TÍTULO

ANO

BASE

PRINCIPAIS RESULTADOS

Organ procurement: Spanish transplant procurement management.

2011

MEDLINE

Formação profissional na doação de órgãos, juntamente com o estabelecimento de um sistema organizacional sólido foi identificado como o fator crucial no desenvolvimento de programas de doação e transplante eficientes (9).

Attitudes toward strategies to increase organ donation: views of the general public and health professionals

2012

MEDLINE

Na opinião do público em geral os incentivos financeiros para doadores vivos ou falecidos precisam ser regulados para serem aceitáveis. A pesquisa futura precisa examinar o impacto dos incentivos financeiros sobre as taxas de doadores falecidos e vivos(10).

Actitud y conocimiento de los médicos de atención primaria, emergencias y urgencias en España sobre la donación y el trasplante de órganos y tejidos.

2011

 

MEDLINE

Foi considerado que os profissionais poderiam colaborar com atividades diferentes, preferivelmente concedendo informações verbais ou escritas para a população e demais profissionais, otimizando o trabalho em equipe, uma vez que a doação de órgãos de doador cadáver na Espanha atingiu grande repercussão, e não deveriam haver oportunidades perdidas(11).

Emoções da equipe multiprofissional na entrevista para doação de órgãos: estudo descritivo.

2012

LILACS

Com relação às emoções vivenciadas na entrevista familiar para doação de órgão(s) pelos componentes das equipes multiprofissionais de uma Central de Transplantes, evidencia-se a necessidade de um dispositivo que possibilite o suporte emocional destes profissionais para que consigam manejar melhor as emoções vivenciadas no cotidiano de trabalho(12).

Análise dos óbitos de um hospital: busca ativa por
potenciais doadores de córneas

2012

LILACS

As buscas por potenciais doadores de tecido ocular devem ser norteadas pelos setores nos quais aconteça o maior número de ocorrências de falecimento, visto que, do total de óbitos ocorridos, aproximadamente um quarto deles sejam considerados potenciais doadores de córneas(13).

Atuação dos profissionais na educação para doação de órgãos

TÍTULO

ANO

BASE

PRINCIPAIS RESULTADOS

O Sistema nacional de transplantes: saúde e autonomia em discussão

2011

LILACS

É possível apontar falhas, acertos e novas propostas para se tentar alcançar os principais objetivos de um sistema ético de transplantes: reduzir o déficit entre a oferta e a demanda de enxertos, tornar os procedimentos transplantatórios mais seguros, universalmente acessíveis, bem como se valorizarem as escolhas autônomas dos envolvidos(17).

Doação de órgãos e tecidos: relação com o corpo em nossa sociedade

2010

LILACS

As ações que asseguram uma sequência ético-legal, definida na legislação dos transplantes, pressupõem compromisso com a qualidade e segurança do processo de doação de órgãos e tecidos, que deve ser rigorosamente perseguida pelos profissionais que trabalham na área. Espera-se que essas atitudes construam uma cultura positiva sobre a doação no país, contribuindo, a longo prazo, para o aumento nas taxas de doação(18).

Australian emergency clinicians' perceptions and use of the GIVE Clinical Trigger for identification of potential organ and tissue donors.

2012

 

MEDLINE

A maioria dos médicos de emergência australianos estão familiarizados, apoiam e sentem que possuem habilidades para manipular  o indicativo criado pelas autoridades para identificaçãoo de potenciais doadores. Mas ainda percebem barreiras ao seu uso(19).

The role of advanced practice nurses in transplant center staffing

2015

MEDLINE

Enfermeiros especializados desempenham um papel vital no controle de doentes transplantados. Os centros de transplante usam eles em diferentes capacidades, dependendo das necessidades individuais da instituição. São necessárias pesquisas adicionais para determinar seu uso mais eficiente(20).

International multicenter opinion study: administrative personnel from Spanish and Mexican health centers faced with human organ donation for transplantation

2010

MEDLINE

Atitudes em relação à doação de órgãos não foram favoráveis ​​entre os profissionais administrativos da Espanha, em comparação com os centros do México, apesar de atitudes em relação à doação de fígado e rins terem sido favoráveis ​​em ambos os países(21).

Transporting live donor kidneys for kidney paired donation: initial national results 2011 CAPES A evidência atual sugere que o transporte doador de rim vivo é seguro e viável(22).

DISCUSSÃO

Em análise as evidências identificadas na literatura foi possível perceber pontos relevantes no que tange: o desencadear da doação de órgãos, a atuação dos profissionais no processo de doação e ainda questões relacionadas ao aperfeiçoamento das fases da doação dirigida de órgãos.

A respeito do primeiro item, destacou-se a importância do profissional como ator central no que diz respeito a realização do processo. Foram ressaltadas ações educativas por ele realizadas, que vão desde a formação específica para atuar na área à colaboração orientadora-educativa sobre transplantes para outros profissionais e/ou para a população. Sobre isso, afirma-se que mais de 30.000 pacientes aguardam em fila de espera para a realização de transplantes de órgãos no Brasil, também por isso, a complexidade desta modalidade terapêutica exige preparo especializado e constante da equipe de profissionais de saúde envolvidos no cuidado do paciente23.

No entanto, por mais que se reconheça a importância da formação voltada para a área de transplantes, sabe-se da ainda pequena participação do assunto nos conteúdos teóricos das universidades, estando a cargo das pós-graduações, na maioria das vezes, a explanação sobre o processo da doação ao transplante para os estudantes da área da saúde. Desta maneira, estão ainda nas grandes metrópoles as melhores oportunidades de formação de profissionais especializados, com capacidade de condução do processo de doação em algum dos dispositivos de transplantes. Isso leva a manutenção das tradicionais disparidades regionais, o que é reafirmado quando se observam os números de doadores efetivos por milhão das regiões norte (3,3pmp ), nordeste (10,7 pmp) e centro-oeste (14,1 pmp) que contrastam amplamente com as regiões sul (21,5 pmp) e sudeste (17,3 pmp). Como exceção à regra contamos com releituras de históricos clássicos como o estado do Ceará, que vem se destacando no cenário dos transplantes nos últimos anos24.

Ainda relacionadas a figura do profissional estão ações como a criação de dispositivos de suporte emocional para auxiliá-los nos enfrentamentos dos dilemas morais frequentemente vivenciados em entrevistas familiares, por exemplo. A literatura refere dificuldades no manejo das emoções vivenciadas principalmente nas entrevistas familiares por parte dos coordenadores avançados em transplantes, o que leva a uma maior incidência de doenças mentais nestes trabalhadores relacionadas ao ambiente de trabalho e também a uma queda da qualidade da entrevista oferecida aos familiares, podendo acarretar aumento de recusas a doação25.

Em continuidade, o campo da formação é de vital importância para os trabalhadores que virão a atuar nesse setor. É recomendável que sejam consideradas as questões religiosas, econômicas, culturais e legais, com as quais estes profissionais lidarão em sua rotina laboral. Este preparo pode trazer diferenciais significativos, podendo aumentar o número de doações consideravelmente.

Desta maneira, torna-se necessário pensar que a construção de determinadas lógicas de cuidado, determinadas redes de cuidado, têm que partir em primeiro lugar de uma reflexão, de que as vidas valem a pena, e mais que isso, de que qualquer forma de vida vale a pena26.

Com relação a atuação dos profissionais na educação para doação de órgãos foi possível identificar a existência de estudos que aborda a importância dessa atitude no cotidiano de trabalho13-16.

Avaliando as atitudes e a consciência dos profissionais de saúde em relação à doação e transplante de órgãos/tecidos, estes devem ter como alvo a educação dos trabalhadores de saúde em primeiro lugar, além do desenvolvimento dos meios de comunicação em todos os países além de campanhas educativas. E ainda, casso seja necessário, as Redes de Transplantes de Órgãos precisam verificar junto aos coordenadores de Procura de Órgãos a necessidade de modificar suas metodologias de ensino para alcançar aumento nas doações.

Essa formação pode ser reconhecida sob diversas perspectivas, que chama os participantes a experimentarem, a criticarem, a participarem da experiência de ensinar e aprender. Refletindo com profundidade numa prática pedagógica que inclua diversas maneiras possíveis para o aprendizado27.

Nessa perspectiva, as Comissões Intra-Hospitalares de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes devem promover atividades de educação contínuas, bem como conhecer o perfil cultural da população que atende levando à sociedade informações pertinentes ao processo de doação, visando suscitar entre as famílias essa discussão.

No que se refere às etapas que se seguem até o transplante, também se observa a necessidade do aperfeiçoamento das fases da doação tendo em vista que se precisa reduzir o déficit entre a oferta e a demanda de enxertos, tornar os procedimentos transplantatórios mais seguros, universalmente acessíveis, bem como se valorizarem as escolhas autônomas dos envolvidos.

Este aperfeiçoamento engloba o olhar para as falhas, acertos e novas propostas que busquem a conformação de um sistema de transplantes mais ético e eficaz. Os pontos críticos que devem ser fortalecidos no sistema de transplantes são: a falta de conhecimento sobre os critérios do processo de doação de órgãos; o tempo de espera na fila e a não-notificação por parte de profissionais nos hospitais; a legislação falha no processo de doação de órgãos (para doadores de rins vivos não-parentes); e a necessidade de humanização das equipes de transplantes. Neste contexto, a partir do reconhecimento das não-conformidades ou pontos fracos é possível travar ações em busca de oferecer um serviço de melhor qualidade, tanto para os profissionais quanto para a população24.

Assim, afim de que se consiga que os transplantes de órgãos e tecidos cresçam em qualidade e quantidade, se torna preponderante o aperfeiçoamento dos quatro pilares que servem de alicerce para todo o processo doação/transplante, que envolvem legislação, financiamento, organização e educação28.

Com isso, se deve incentivar a adoção de instrumentos para desencadear doações preferencialmente para identificar precocemente potenciais doadores de órgãos e tecidos nas emergências e unidades de terapia intensiva. Entendendo que as atribuições fundamentais de profissionais de doação que se encontra em ambiente hospitalar e ambulatoriais, antes e depois do transplante, entre outros, deve consistir na de coleta de história clínica dos pacientes, realização de exames físicos, a manipulação de consultas clínicas e educação. Também devem conceder apoio social, fazer a gestão de registro médico e documentação regulamentar. Observando ainda a necessidade de maior atenção no acompanhamento do corpo, pós-doação, solicitado pelas famílias, representa o início do luto pela morte de um parente.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Assim, a divisão dos artigos em subcategorias promoveu um melhor entendimento das informações encontradas após os dados terem sido analisados. Com essa classificação dos achados em subcategorias foi possível estabelecer uma análise mais criteriosa dos dados fazendo com que as informações se tornassem melhor compreendidas.

Foi realizada a análise da produção científica existente, relacionada a importância das atividades laborais desenvolvidas pelos profissionais de saúde que trabalham para apoiar e executar as tarefas relacionadas à doação de órgãos e tecidos.

Pode ser verificado a partir do que se observou nos dados levantados que é preciso que se tomem atitudes consideradas essenciais para a organização do processo de doação. Entre essas medidas estão o treinamento, a capacitação, a multiplicação dos conhecimentos produzidos e a adoção de estratégias para aumentar a motivação dos profissionais envolvidos no processo doação/transplante visando às necessidades individuais de cada profissional.

Portanto, a formação de profissionais bem treinados em doação de órgãos juntamente com o estabelecimento de um sistema organizacional sólido podem ser observados como fator crucial no desenvolvimento de programas de doação de órgãos e transplantes eficientes.

Nesse sentido, e tendo em vista a, importância do trabalho e das atividades desenvolvidas pelos profissionais que atuam no processo de doação, salientamos a necessidade do aumento da produção cientifica relacionada a essa temática.

Referências

1. Morais TR, Morais MR. Doação de órgãos: é preciso educar para avançar. Saúde debate. 2012 [acesso em 06 fev 2015];36(95):633-39. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v36n95/a15v36n95.pdf

2. Fonseca PIMN, Tavares CMM. O preparo emocional dos profissionais de saúde na entrevista familiar: estudo hermenêutico. Braz J Nurs [Internet]. 2014 [acesso em 24 abr 2015];13(4):496-506. Disponível em: http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/4690

3. Mendes KDS, Roza BA, Barbosa SFF, Schirmer J, Galvão CM. Transplante de órgãos e tecidos: responsabilidades do enfermeiro. Texto contexto - enferm  [Internet]. 2012 [acesso em 25 fev 2015]; 21(4):945-53. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072012000400027&lng=en

4. Aguiar MIF, Araújo TOM, Cavalcante MMS, Chaves ES, Rolim ILTP. Perfil de doadores efetivos de órgãos e tecidos no Estado do Ceará. REME – Rev. Min. Enferm [Internet]. 2010 [acesso em 24 abr 2015];14(3):353-60. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/126

5. Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein [Internet]. 2010 [acesso em 06 fev 2015];8(1):102-6. Disponível em: http://astresmetodologias.com/material/O_que_e_RIL.pdf.

6. Crossetti MGO. Revisão integrativa de pesquisa na enfermagem o rigor cientifico que lhe é exigido. Rev. Gaúcha Enferm [Internet]. 2012 [acesso em 24 abr 2015];33(2):8-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v33n2/01.pdf

7. Ercole FF, Melo LS, Alcoforado CLGC. Revisão integrativa versus revisão sistemática. REME  Rev. Min. Enferm [Internet]. 2014 [acesso em 24 abr 2015];18(1):09-11. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/904

8. Arcanjo R, Oliveira L, Silva D. Reflexões sobre a comissão intra-hospitalar de doação de órgãos e tecidos para transplantes. Rev. Bioét. 2013 [acesso em 25 mar 2015];21(1):119-25. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/bioet/v21n1/a14v21n1.pdf

9. Manyalich M, Mestres CA, Ballesté C, Páez G, Valero R, Gómez MP. Organ procurement: Spanish transplant procurement management. Asian Cardiovasc Thorac Ann. 2011 [acesso em 06 fev 2015];19(3-4):268-78. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21885556

10. Barnieh L, Klarenbach S, Gill JS, Caulfield T, Manns B. Attitudes toward strategies to increase organ donation: views of the general public and health professionals. Clinical journal of the American Society of Nephrology: CJASN. 2012 [acesso em 06 fev 2015];7(12):1956-63. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3513747/.

11. Deulofeu R, Blanca MA, Twose J, Matesanz R. Actitud y conocimiento de los médicos de atención primaria, emergencias y urgencias en España sobre la donación y el trasplante de órganos y tejidos. Med Clin (Barc). 2011 [acesso em 18 mar 2015];136(12):541-8. Disponível em: http://www.elsevier.es/ficheros/eop/S0025-7753(09)01168-3.pdf.

12. Fonseca PI, Tavares CMM. Emoções da equipe multiprofissional na entrevista para doação de órgãos: estudo descritivo. Braz J Nurs [Internet]. 2012 [acesso em 25 fev 2015];11(2):466-70. Disponível em: http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/3930.

13. Erbs JL, Schirmer J, Possa S, Roza BA. Analysis of deaths at a hospital: active search for potential cornea donors. Rev. enferm. UERJ. 2012 [acesso em 01 mar 2015];20(3):334-7. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v20n3/v20n3a09.pdf.

14. Alsaied O, Bener A, Al-Mosalamani Y, Nour B. Knowledge and attitudes of health care professionals toward organ donation and transplantation. Saudi J Kidney Dis Transpl. 2012 [acesso em 15 abr 2015];23(6):1304-10. Disponível em: http://www.sjkdt.org/article.asp?issn=1319-2442;year=2012;volume=23;issue=6;spage=1304;epage=1310;aulast=Alsaied.

15. Demir T, Selimen D, Yildirim M, Kucuk HF. Knowledge and attitudes toward organ/tissue donation and transplantation among health care professionals working in organ transplantation or dialysis units. Transplant Proc. 2011 [acesso em 06 fev 2015];43(5):1425-8. Disponível em: http://www.transplantation-proceedings.org/article/S0041-1345(11)00261-2/abstract.

16. Konaka S, Kato O,  Ashikari J, Fukushima N. Modification of the education system for organ procurement coordinators in Japan after the revision of the Japanese Organ Transplantation Act. Transplant Proc. 2012 [acesso em 18 mar 2015];44(4):851-4. Disponível em: http://www.transplantation-proceedings.org/article/S0041-1345(12)00232-1/abstract.  

17. Stancioli B, Carvalho NP, Ribeiro DM, Lara MA. O Sistema nacional de transplantes: saúde e autonomia em discussão . Rev. direito sanit. 2011 [acesso em 25 mar 2015];11(3)123-54. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rdisan/article/view/13225

18. Roza BA, Garcia VD, Barbosa SFF, Mendes KDS, Schirmer J. Doação de órgãos e tecidos: relação com o corpo em nossa sociedade. [Internet] Acta Paul Enferm. 2010 [acesso em 18 mar 2015]; 23(3):417-22. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002010000300017&lng=pt

19. Neate S et al. Australian emergency clinicians' perceptions and use of the GIVE Clinical Trigger for identification of potential organ and tissue donors. Emerg Med Australas. 2012 [acesso em 14 fev 2015] ;24(5):501-9. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1742-6723.2012.01598.x/abstract

20. Hoy H, Alexander S, Payne J, Zavala E. The role of advanced practice nurses in transplant center staffing. [Internet] Progress In Transplantation. 2015 [acesso em 14 fev 2015]; 21(4): 294-8. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22548990

21. Ríos A et al. International multicenter opinion study: administrative personnel from Spanish and Mexican health centers faced with human organ donation for transplantation. Transplant Proc. 2010 [acesso em 18 mar 2015];42(8):3093-7. Disponível em: http://www.transplantation-proceedings.org/article/S0041-1345(10)00723-2/abstract

22. Segev DL et al. Transporting live donor kidneys for kidney paired donation: initial national results. Am J Transplant. 2011 [acesso em 15 abr 2015];11(2):356-60. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1600-6143.2010.03386.x/epdf

23. Sasso MKD, Roza BA, Barbosa SFF, Schirmer J, Galvão CM. Transplantes de órgãos e tecidos: responsabilidades do enfermeiro. Texto Contexto Enferm. 2012 [acesso em 23 ago 2015];21(4): 945-53. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v21n4/27.pdf

24. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TRANSPLANTES (ABTO). Registro Brasileiro de Transplantes (RBT). [Online]. 2014 [acesso em 23 ago 2015]. Disponível em: http://www.abto.org.br/abtov03/Upload/file/RBT/2014/rbt2014-lib.pdf

25.Fonseca PN, Tavares CMM. O manejo das emoções dos coordenadores em transplantes na realização da entrevista familiar para doação de órgãos.  Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental. 2015 [acesso em 23 ago 2015]; ESPECIAL 2:3944.Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpesm/nspe2/nspe2a07.pdf

26. Guattari, F. As três ecologias. São Paulo: Papirus; 2000.

27. Abrahão AL, Merhy EE. Formação em saúde e micropolítica: sobre conceitos-ferramentas na prática de ensinar. [Internet] Interface (Botucatu). 2014 [acesso em  20 fev 2015];18(49):313-24. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832014000200313&lng=en

28. Pompeu MH, Silva SS, Roza BA, Bueno SMV. Fatores envolvidos na negativa da doação de tecido ósseo. [Internet] Acta Paul Enferm. 2014 [acesso em 20 fev 2015]; 27(4):380-4. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002014000400015&lng=en