Revista  Enfermagem Atual

Nosso contato
enfermagematual2017@gmail.com
+55 (21) 2259-6232
Nosso endereço
[ISSN 1519-339X ] Impressa
Rua México, 164, SALA 62
Centro | RJ - 20031-143

Influência do Hardiness no Burnout e depressão entre residentes multiprofissionais- estudo analítico

Influence of Hardy personality on Burnout and depression among multidisciplinary residents- analytical investigation
  • Rodrigo Marques da Silva
  • Karla de Melo Batista
  • Patrícia Maria Serrano
  • Luis Felipe Dias Lopes
  • Ana Lúcia Siqueira Costa
  • Laura de Azevedo Guido

RESUMO

Objetivou-se analisar a influência do Hardiness na Síndrome de Burnout e nos Sintomas Depressivos entre residentes multiprofissionais. Trata-se de um estudo transversal, analítico e com abordagem quantitativa. Aplicaram-se um formulário de dados sociodemográficos, a Escala de Hardiness, o Maslach Burnout Inventory- Human Services Survey e o Inventário de Depressão de Beck em 37 residentes entre Abril e Junho de 2011. Os dados foram analisados por meio da estatística inferencial. Houve correlação estatisticamente significativa e negativa entre o Burnout e o Hardiness (r = -0,554; p=0,000) e entre essa Personalidade e a Sintomas Depressivos (r=-0,518; p= 0,001). Ainda, verificou-se correlação significativa positiva entre Burnout e Sintomas Depressivos (r=0,705; p=0,000). As características da Personalidade Hardiness, por permitirem resistência ao estresse, reduzem a possibilidade de Burnout e Sintomas Depressivos.

Descritores: Enfermagem; Internato não Médico; Capacitação em Serviço; Esgotamento Profissional; Depressão.


SUMARRY We aimed to analyze the influence of Hardiness on Burnout Syndrome and on Depressive Symptoms among multidisciplinary residents. This is a cross-sectional, analytical and with quantitative approach study. We applied a form of demographic data, the Hardiness Scale, the Maslach Burnout Inventory- Human Services Survey and the Beck Depression Inventory in 37 residents between April and June 2011. Data were analyzed through of statistical inference. There was a negative statistically significant correlation between Burnout and Hardiness (r = -0,554, p = 0,000) and between this Personality and Depressive Symptoms (r = -0,518, p = 0,001). Also, there was a positive significant correlation between Burnout and Depressive Symptoms(r = 0,705, p = 0,000). The characteristics of Hardiness Personality, as allow resistance to stress, reduce the risks of Burnout and Depressive Symptoms in multidisciplinary residents.

Key words: Nursing; Internship, Nonmedical; Inservice Training; Burnout, Professional; Depression.

INTRODUÇÃO

Nos Programas de Residência Multiprofissional em Saúde (RMS), busca-se romper com os paradigmas em relação à formação de profissionais para o Sistema Único de Saúde (SUS) e contribuir para a qualificação da atenção prestada pelos serviços de saúde à população. Eles apresentam uma variedade de modelos pedagógicos, defendem a utilização de metodologias ativas e participativas e fundamentam-se na educação permanente como eixo pedagógico1.

Além disso, a interdisciplinaridade confere caráter inovador aos programas, demonstrado, principalmente, por meio da inclusão de diferentes categorias profissionais da saúde. Esse modo de operar a qualificação inter-categorias visa à formação coletiva inserida no mesmo campo de trabalho sem deixar de respeitar os núcleos específicos de saberes de cada profissão1. Nesses programas, observa-se uma filosofia de formação em saúde com ações inovadoras.

Diante desse contexto, alguns aspectos podem ser avaliados como estressores pelos residentes. Dentre eles, destacam-se: o trabalho em equipe, as metodologias ativas e participativas, as relações interpessoais estabelecidas, bem como a responsabilidade de dispensar um cuidado integral e humanizado.1,2.

É de bom alvitre salientar que, diante do exposto, devam ser estudadas todas as variáveis relacionadas à garantia de um cuidado qualificado, voltado para a redução do risco cardiovascular, visando à promoção, proteção e recuperação da saúde, princípios da lei 8080/90 do SUS, e, por conseguinte, reduzir a taxa de mortalidade por moléstias cardiovasculares. Estudos vêm demonstrando a precariedade e insuficiência de instrumentos para medir a pressão arterial, porém vêm sendo realizados em hospitais e consultórios6,7. Este estudo tem a finalidade de identificar o número, tipo e condições dos estetoscópios e esfigmomanômetros disponíveis nas UBS do município de Guarulhos e verificar os tamanhos, tipos de fechamento dos manguitos disponíveis e o conhecimento do enfermeiro sobre as dimensões dos manguitos.

Em pesquisa envolvendo profissionais de saúde da Macedônia, incluindo residentes de medicina, médicos e enfermeiros, evidenciaram-se a sobrecarga de trabalho, a organização do trabalho em turnos e o período noturno como estressores do ambiente laboral2. Em investigação com residentes médicos, destacam-se, como potenciais estressores: administrar o peso da responsabilidade profissional; lidar com pacientes difíceis e situações problemáticas; a privação do sono; fadiga; excessiva carga assistencial e de trabalho administrativo; e problemas relativos à qualidade do ensino e ao ambiente educacional/ocupacional3.

Frente a isso, é possível a ocorrência do estresse entre residentes multiprofissionais. Esse fenômeno é definido como qualquer estímulo que demande do ambiente externo ou interno e que taxe ou exceda as fontes de adaptação de um indivíduo ou sistema social conforme o Modelo Interacionista4. Nesse modelo, considera-se a interação entre o ambiente e a pessoa ou o grupo como responsáveis e atuantes no processo4. Assim, diferentes pesquisas já têm analisado o estresse entre distintas populações tendo em vista suas repercussões à saúde dos profissionais e estudantes da área da saúde, dentre as quais, os Sintomas Depressivos e a Síndrome de Burnout5-6.

Os Sintomas Depressivos consistem em um conjunto de emoções e cognições que têm consequências sobre as relações interpessoais7-8. Assim, a nível internacional, em estudo com uma amostra de 1643 médicos hospitalares, encontraram-se 13,3% desses profissionais com Sintomas Depressivos7. No Brasil, em investigação com especializandos e residentes médicos do Rio de Janeiro, evidenciaram-se 56% dos profissionais com essa sintomatologia8.

O Burnout é uma Síndrome tridimensional que ocorre quando, frente a um estressor, o indivíduo não utiliza estratégias de enfrentamento ou essas são inefetivas para dada situação, o que pode levar a cronificação do estresse9. Suas características são: Exaustão Emocional, relacionada aos sentimentos do indivíduo com relação ao trabalho e caracterizada pela sobrecarga emocional; Despersonalização, que consiste na insensibilidade e desumanização no atendimento; Baixa Realização Profissional, definida como a baixa eficiência e produtividade no trabalho9. Sobre isso, investigação com enfermeiros de um hospital público brasileiro identificou 7,3% dos profissionais em Burnout10. Em estudo com residentes médicos em obstetrícia e ginecologia dos Estados Unidos, verificaram-se 13% desses profissionais em Burnout11.

No entanto, mesmo convivendo com os estressores do contexto acadêmico e profissional, estudos têm apontado moderado estresse em profissionais de saúde6,12-13. Frente ao exposto, a Personalidade Hardiness têm sido proposta como explicação para a ocorrência de baixo e(ou) moderado estresse em populações expostas aos estressores de diferentes contextos. Isso porque as características dessa Personalidade permitem a resistência ao estresse. Assim, os indivíduos hardy possuem a crença de poder controlar ou influenciar os eventos de sua experiência; a habilidade de sentir-se completamente envolvido ou comprometido nas atividades da vida; e a antecipação da mudança como um desafio excitante para o crescimento pessoal. Esses conceitos englobam respectivamente os domínios: Controle, Compromisso e Desafio14.

Nesse contexto, as relações entre estresse e os Sintomas Depressivos, bem como entre o estresse e o Burnout em estudantes de graduação e pós-graduação já foram demonstradas5,11,15. No entanto, tendo em vista que as características da Personalidade Hardiness permitem uma interpretação diferenciada do contexto vivido e, portanto, a minimização do estresse e seus desfechos, não se observam estudos que analisem a relação dessa Personalidade com o Burnout e os Sintomas Depressivos entre os residentes multiprofissionais na literatura nacional e internacional. Isso justifica a relevância dessa investigação para com a construção do conhecimento em saúde.

Dessa maneira, o objetivo desse estudo foi analisar a influência do Hardiness na Síndrome de Burnout e nos Sintomas Depressivos entre residentes multiprofissionais. Em vista do exposto, defende-se a hipótese de que haja menor tendência de Síndrome de Burnout e Sintomas Depressivos nos residentes multiprofissionais com Personalidade Hardiness.

MÉTODOS

Trata-se de um estudo analítico, transversal e com abordagem quantitativa. A pesquisa foi realizada em uma Universidade Federal do Rio Grande do Sul/Brasil. Nesse estudo, incluíram-se Residentes das ênfases de atuação “Atenção Básica/ Saúde da família”, “Vigilância em Saúde” e “Gestão e Atenção Hospitalar”, de todas as profissões previstas no programa e regularmente matriculados nas turmas de 2009, 2010 e 2011, a ser: Enfermagem, Psicologia, Nutrição, Assistente Social, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Farmácia, Terapia Ocupacional, Odontologia e Educação Física. Excluíram-se os residentes em licença de qualquer natureza.

No momento da coleta, havia 85 residentes multiprofissionais matriculados. Desses, todos atenderam aos critérios de elegibilidade. Contudo, 40 (47,06%) sujeitos não aceitaram participar da pesquisa e 8 (9,41%) devolveram os instrumentos em branco. Logo, obteve-se um total de 37 (43,53%) residentes.

A coleta de dados foi realizada no período de Abril a Junho de 2011 com aplicação de um Formulário para caracterização sociodemográfica, a Escala de Hardiness(EH), o Maslach Burnout Inventory- Human Services Survey (MBI-HSS) e o Inventário de Depressão de Beck (IDB)14,4-5. Esses instrumentos foram aplicados aos sujeitos convidados e que aceitaram voluntariamente participar da pesquisa após serem informados sobre seus objetivos e características. A abordagem inicial ocorreu por meio de reuniões e os sujeitos não captados foram buscados individualmente.

O formulário sociodemográfico abordou as seguintes variáveis: idade, número de filhos, sexo, situação conjugal, presença de filhos e com quem reside.

A EH foi traduzida e adaptada para o português em 200914. É composta por 30 itens dispostos em escala tipo likert de quatro pontos, em que: 0 – “nada verdadeiro”, 1 – “um pouco verdadeiro”, 2 – “quase tudo verdadeiro” e 3– “completamente verdadeiro”. Os itens são dispostos em três domínios: Controle (2, 3, 8, 9, 12, 15, 18, 20, 25 e 29), Compromisso (1, 6, 7, 11, 16, 17, 22, 27,28 e 30) e Desafio (4, 5, 10, 13, 14, 19, 21, 23, 24 e 26)(14). Destaca-se que os escores dos itens 3, 4, 5, 6, 8, 13, 16, 18, 19, 20, 22, 23, 25, 28 e 30 devem ser invertidos para então serem somados14.

O MBI-HSS, traduzido e adaptado para a realidade brasileira, é um questionário autoaplicável, com uma escala tipo Likert de cinco pontos, em que: zero- “nunca”, um- “algumas vezes ao ano”, dois- “algumas vezes ao mês”, três- “algumas vezes na semana” e quatro- “diariamente”4. Assim, conforme a experiência do indivíduo no trabalho, o valor mínimo que pode ser assinalado em cada item é zero e o máximo quatro4. O instrumento é composto por 22 itens distribuídos em três subescalas: Desgaste Emocional (DE), formada pelos itens 1, 2, 3, 6, 8, 13, 14, 16 e 20; Despersonalização (DP), pelos itens 5, 10, 11, 15 e 22; e Incompetência Profissional (IP), pelos itens 4, 7, 9, 12, 17, 18, 19 e 214. Contudo, por ser mais atual, será utilizada a seguinte nomenclatura para as subescalas: Exaustão Emocional (EE), Despersonalização (DP) e Realização Profissional (RP).

O IDB, traduzido e validado para a realidade brasileira5, contém 21 questões que avaliam a presença de sintomas depressivos em relação ao período da semana anterior à aplicação do instrumento. Cada questão é formada por quatro alternativas que descrevem traços do quadro depressivo. As alternativas variam entre zero (ausência de sintomas) a três (presença maior de sintomas depressivos). Logo, a soma dos valores atribuídos pelos sujeitos pode variar de 0 a 63. Destaca-se que o item 19 apresenta uma resposta secundária e, neste caso, quando respondido sim, o item não é considerado5. Esse Inventário inclui sintomas e atitudes que se referem à tristeza, pessimismo, sensação de fracasso, falta de satisfação, sensação de culpa, sensação de punição, autodepreciação, autoacusações, ideias suicidas, crise de choro, irritabilidade, retração social, indecisão, distorção da imagem corporal, inibição para o trabalho, distúrbio do sono, fadiga, perda do apetite, preocupação somática, perda de peso e diminuição da libido5.

Após a coleta, os dados foram organizados e armazenados em uma planilha eletrônica no programa EXCEL 2007 (Office XP) para que, posteriormente, fossem analisados eletronicamente com o auxílio do programa Statistical Analisys System (SAS, versão 8.02). As variáveis qualitativas foram descritas em valores absolutos(n) e relativos (%) e as quantitativas, expostas em medidas descritivas: valores mínimos e máximos, média (X) e desvio padrão (±).

Para análise da EH, realizou-se a soma das pontuações atribuídas a cada item e dividiu-se pelos itens que compõem os domínios, o que permitiu a obtenção da média do indivíduo em cada domínio. Para o MBI, realizou-se a soma das pontuações assinaladas a cada item e dividiu-se pelo número total de itens das subescalas, obtendo-se a média de cada residente por subescala. Para análise do IDB, foi efetuada a soma dos valores atribuídos a cada item do Inventário por cada indivíduo, dividida pelo número de itens do instrumento, obtendo-se a pontuação média de cada indivíduo no inventário. Com base nessas medidas, as relações entre Hardiness, Burnout e Sintomas Depressivos foram analisadas por meio do teste de Correlação de Pearson. Valores de p < 0,05 foram considerados estatisticamente significativos com intervalo de confiança de 95%. A consistência interna desses instrumentos foi analisada por meio do coeficiente Alfa de Cronbach.

Ainda, atendendo às Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas Envolvendo Seres Humanos do Conselho Nacional de Saúde, entregou-se um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido com informações referentes à pesquisa. Esse foi assinado e autorizou a participação voluntária na pesquisa. Essa pesquisa faz parte do projeto Estresse, Coping, Burnout, Sintomas Depressivos e Hardiness em Residentes Médicos e Multiprofissionais, aprovado no Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade sob o nº 23081.020160/2010-06.

RESULTADOS

Em relação às características sociodemográficas dos residentes multiprofissionais, observa-se o predomínio daqueles do sexo feminino (83,78%), solteiros (81,08%), sem filhos (94,60 %), na faixa etária entre 25 a 29 anos (51,35%) e que residem com a família (51,35%).

Na análise da consistência interna dos itens que compõem os instrumentos dessa pesquisa, o Alfa de Cronbach foi de 0,634 para os 30 itens da EH, 0,659 para os 22 itens do MBI-HSS e 0,820 para as 21 questões IDB. Segundo autores4, esses valores são suficientes para atestar confiabilidade satisfatória aos instrumentos aplicados na população estudada. As medidas descritivas para os 30 itens da EH, 22 itens do MBI-HSS e 21 itens da IDB são apresentados na Tabela 1.

Tabela 1 - Medidas Descritivas para os itens que compõem a EH, MBI-HSS e IDB. Santa Maria, Brasil, 2011.

Tabela 1 - Medidas Descritivas para os itens que compõem a EH, MBI-HSS e IDB. Santa Maria, Brasil, 2011.

Fonte: Elaboração própria.

A matriz de correlações entre Hardiness, Síndrome de Burnout e Sintomas Depressivos nos residentes multiprofissionais é apresentada na Tabela 2.

Tabela 2 - Matriz de correlação entre Hardiness, Síndrome de Burnout e Sintomas Depressivos nos residentes multiprofissionais. Santa Maria, Brasil, 2011.

Tabela 2 - Matriz de correlação entre Hardiness, Síndrome de Burnout e Sintomas Depressivos nos residentes multiprofissionais. Santa Maria, Brasil, 2011.

* Correlação estatisticamente significativa Fonte: Elaboração própria.

A relação direta entre a Síndrome de Burnout e os Sintomas Depressivos indica que, quanto maior a tendência de Burnout, maior é a de Sintomas Depressivos. A dispersão entre as médias do MBI-HSS e do IDB é apresentada na Figura 1.

Figura 1 - Dispersão entre as médias de Burnout e Sintomas Depressivos dos residentes multiprofissionais. Santa Maria, 2011. Fonte: Elaboração própria.

Figura 1 - Dispersão entre as médias de Burnout e Sintomas Depressivos dos residentes multiprofissionais. Santa Maria, 2011. Fonte: Elaboração própria.

DISCUSSÃO

A literatura nacional e internacional têm evidenciado as repercussões do estresse na saúde dos residentes durante o processo de formação profissional, dentre elas, a ocorrência de Sintomas Depressivos14 e do Burnout11. Nesse sentido, o Hardiness é proposto como uma Personalidade cujas características permitem resistência ao estresse, sendo, portanto, relacionada a mais saúde e menos doenças7,8.

Nesse contexto, verificou-se correlação moderada, significativa e negativa entre Hardiness e Síndrome de Burnout (r=-0,554; p=0,000). Em pesquisa com enfermeiras de terapia intensiva do Alabama (EUA), os resultados indicaram correlação estatisticamente significativa negativa entre Hardiness e Síndrome de Burnout (r=-0,660; p < 0,05)16. Dessa forma, observa-se que a Personalidade Hardiness reduz a tendência de Burnout, uma vez que o aumento das médias de Hardiness associou-se ao decréscimo das médias de Burnout em ambos os estudos supracitados. Sabe-se que Burnout é uma Síndrome que pode levar ao abandono do curso; à redução da produtividade e do desempenho acadêmico; à queda da qualidade do cuidado prestado; e à redução da motivação para o aprendizado e da satisfação com a carreira escolhida11. Além disso, a prevalência dessa Síndrome tem variado entre 25% e 60% no contexto mundial, sendo considerada alta11. Nesse sentido, pesquisadores têm desenvolvido intervenções para redução do Burnout17. Na Bélgica, de 96 médicos residentes, 49 foram aleatoriamente selecionados para participar de um programa de gerenciamento de estresse17. No entanto, não houve redução significativa do Burnout em ambos os grupos17.

Sobre os Sintomas Depressivos, observou-se correlação moderada, significativa e negativa entre a Personalidade Hardiness e tais Sintomas (r=-0,518; p= 0,001). Em pesquisa realizada em Jaunpur (Índia), ao comparar grupos com baixas, moderadas e altas médias em Hardiness em relação aos Sintomas Depressivos, identificaram-se que o grupo com altas médias em Hardiness (média= 89.50; dp=10,80) apresentou menores médias de Sintomas Depressivos (p < 0,001) do que os indivíduos dos demais grupos (Baixo Hardiness: = 98.40; ±15,60/ Moderado Hardiness: = 92,68; ±13,90)18. Sobre isso, destaca-se que os Sintomas Depressivos são subdiagnosticados em muitas populações11 e que podem decorrer de diferentes fatores, como experiências prévias, histórico familiar, traumas físicos e (ou) psicológicos prévios e sentimento de inadequação ao ambiente laboral18. Quanto a esse último aspecto, destaca-se que a residência corresponde a um período de transição entre a formação acadêmica e a realidade profissional1,11. Nesse processo, é possível que o residente identifique dicotomias entre os pressupostos teóricos e a prática profissional diária, o que pode levar a uma dificuldade de adaptação ao processo de trabalho, e em longo prazo, aos Sintomas Depressivos. Nesse contexto, intervenções têm sido realizadas a fim de reduzir os Sintomas Depressivos entre os estudantes da área da saúde. Dentre elas, uma investigação analisou os efeitos de uma técnica cognitivo-comportamental sobre o estresse e Sintomas Depressivos de 84 estudantes universitários da Jordânia19. Após a intervenção, houve redução do estresse e Sintomas Depressivos no grupo de casos19.

Sobre a relação entre os Sintomas Depressivos e a Síndrome de Burnout, verificou-se correlação significativa positiva entre esses fenômenos (r=0,705; p=0,000). Assim, quanto maior a tendência de Burnout, maior é a de Sintomas Depressivos. Nesse sentido, em investigação11 com residentes médicos de obstetrícia e ginecologia, foi observado que os Sintomas Depressivos estavam fortemente correlacionados ao Burnout (p < 0,001). Isso indica que a ocorrência de Sintomas Depressivos pode levar ao Burnout e vice-versa já que ambos são desfechos oriundos do estresse. Esse fenômeno tem sido relacionado a diferentes aspectos do processo de ensino -aprendizagem durante a residência, dentre eles, às mudanças nos hábitos de vida e aos problemas de relacionamento1,7,18. O ingresso na residência pode representar uma mudança no tempo disponível para o lazer e a família, sono e repouso e práticas de esporte, bem como alterações na alimentação, aumento da ingestão de bebidas alcoólicas e uso de drogas lícitas e ilícitas1,11. Ademais, os residentes convivem com colegas do programa de residência, pacientes e membros da equipe de saúde, sendo, portanto, as relações interpessoais inerentes à prática profissional.

Essas situações podem ser avaliadas como estressoras pelos residentes e levar a Despersonalização, a Exaustão emocional e baixa Realização Profissional, levando à Síndrome de Burnout. Essas características da Síndrome podem facilitar a ocorrência de Sintomas Depressivos, relação já verificada com significância estatística em residentes médicos11. Por outro lado, a presença de Sintomas depressivos pode dificultar a identificação e enfrentamento dos estressores e, por sua vez, propiciar a ocorrência da Síndrome de Burnout11.

Tendo em vista as repercussões do Burnout e Sintomas Depressivos à saúde física e mental dos residentes multiprofissionais e ao cuidado prestado por esses indivíduos, bem como a relação do Hardiness com esses fenômenos, são necessárias estratégias de fortalecimento das características dessa Personalidade (Compromisso, Controle e Desafio) nessa população.

Nesse contexto, para a característica Compromisso, é possível incentivar ações e discussões vinculadas ao trabalho com os pacientes, bem como o comprometimento para a resolução de problemas por meio do gerenciamento de conflitos e assertividade. Em relação à característica Controle, é possível a criação de um ambiente de trabalho agradável; o incentivo e premiação à criatividade relacionada às ideias e implementação de novas práticas; a realização de estudos de caso com foco no problema para redução do estresse; e a garantia de maior autonomia ao indivíduo20. Para estímulo ao Desafio, as estratégias tem como base a promoção de novas experiências de aprendizagem entre os funcionários; a mudança de práticas e comportamentos; a realização de atividades em grupo; e a contratação de pessoas com prática em processos de mudanças para promoção de modificações positivas20.

CONCLUSÃO

A residência multiprofissional caracteriza-se por um período da vida profissional no qual o residente convive com diferentes situações, acadêmicas e assistenciais, que podem ser avaliadas como estressoras. Nesse contexto, a Personalidade Hardiness pode ser uma forma de reduzir os desfechos negativos do estresse, dentre eles os Sintomas Depressivos e o Burnout.

Nesse sentido, confirmou-se a hipótese dessa investigação, ou seja, de que há menor tendência de Síndrome de Burnout e Sintomas Depressivos nos residentes multiprofissionais com Personalidade Hardiness. Por conseguinte, atestou-se a influência do Hardiness na ocorrência do Burnout e nos Sintomas Depressivos nesses residentes.

Dessa forma, os resultados desse estudo fortalecem a assertiva do Hardiness enquanto uma Personalidade relacionada à saúde e com menor vivência de desfechos do estresse. Portanto, sugere-se a construção de intervenções que promovam as caraterísticas dessa Personalidade entre os residentes multiprofissionais tendo em vista seus benefícios à saúde e qualidade do cuidado prestado por esses profissionais.

Como limitação desse estudo, destaca-se o reduzido número de investigações que relacionam o Hardiness ao Burnout e aos Sintomas Depressivos entre residentes, em especial, entre residentes multiprofissionais, o que dificultou a comparação dos resultados desse estudo com aqueles de outras investigações envolvendo o contexto da residência multiprofissional.

Referências

    1. 1. Rosa SD, Lopes RE. Residência Multiprofissional em Saúde e Pós-Graduação Lato Sensu no Brasil: Apontamentos Históricos. Trab educ saúde [Internet]. 2009 Nov [Cited 2012 Oct 23] 7(3): 479-98. Available from: http://www.revista.epsjv.fiocruz.br/upload/revistas/r267.pdf
    2. 2. Karadzinska-Bislimovska J, Basarovska V, Mijakoski D, Minov J, Stoleski S, Angeleska N et al. Linkages between workplace stressors and quality of care from health professionals’ perspective – Macedonian experience. Br J Health Psychol. In press 2013.
    3. 3. So-Myung Choi YSP, Jun-Hyun Yoo GYK. Occupational Stress and Physical Symptoms among Family Medicine Residents. Korean J Fam Med. 2013; 34(1):49-57.
    4. 4. Guido LA, Goulart CT, Silva RM, Lopes LFD, Ferreira EM. Stress and Burnout among multidisciplinary residentes. Rev latinoam enferm[internet]. 2012 Nov [cited 2013 Apr 24]; 20(6). Available from: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v20n6/pt_08.pdf doi: http://dx.doi.org/10.1590/S010411692012000600008.
    5. 5. Moreira DP, Furegato ARF. Stress and depression among students of the last semester in two nursing courses. Rev latinoam enferm[Internet] 2013 Jan[Cited 2012 Nov 22]; 21(spe): 155-62. Available from: http:// www.scielo.br/pdf/rlae/v21nspe/20.pdf. doi: http://dx.doi.org/10.1590/ S0104-11692013000700020
    6. 6. Iglesias MEL, Vallejo RBB. Prevalence and relationship between burnout, job satisfaction, stress, and clinical manifestations in spanish critical care nurses. Dimens Crit Care Nurs. 2013;32(3):130-7.
    7. 7. Liang-Jen W, Chih-Ken C, Shih-Chieh H, Sheng-Yu L, Chin-Sheng W, Wan-Yu Y. Active job, healthy job? Occupational Stress and depression among hospital physicians in taiwan. Ind Health. 2011; 49(2):173–84.
    8. 8. Silva GCC, Koch HA, Sousa EG, Gasparetto E, Buys RC. Ansiedade e depressão em residentes em radiologia e diagnóstico por imagem. Rev bras educ méd [Internet]. 2010 Apr [Cited 2012 Oct 23]; 34(2):199-206. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rbem/v34n2/a03v34n2.pdf. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022010000200003
    9. 9. Franco GP, Barros ALBL, Nogueira-Martins LA, Zeitoun SS. Burnout in nursing residents. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2011 Mar [Cited 2012 Oct 13]; 45(1):12-8. Available from: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n1/ en_02.pdf. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342011000100002
    10. 10. Lorenz VR, Benatti MCC, Sabino MO. Burnout and stress among nurses in a university tertiary hospital. Rev latinoam enferm(online)[Internet]. 2010 Nov [Cited 2012 Nov 13]; 18(6):1084-91. Available from: http:// www.scielo.br/pdf/rlae/v18n6/07.pdf. doi: http://dx.doi.org/10.1590/ S0104-11692010000600007
    11. 11. Govardhan LM, Pinelli V, Schnatz PF. Burnout, depression and job satisfaction in obstetrics and gynecology residents. Conn Med. 2012; 76(7):389-95.
    12. 12. Guido LA, Silva RM, Goulart CT, Kleinübing RE, Umann J. Estresse e coping entre enfermeiros de unidade cirúrgica de hospital universitário. Rev Rene. 2012;13(2):428-36.
    13. 13. Rocha MCP, De Martino MMF, Ferreira LRC. Stress of the nurses who work on different hospital departments: a descriptive study. Online braz j nurs (Online)[Internet]. 2009 [cited 2012 Nov 18]; 8(3). Available from: http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/ view/j.1676-4285.2009.2555/562. doi: http://dx.doi.org/10.5935/16764285.20092555
    14. 14. Serrano PM. Adaptação cultural de Hardiness Scale (HS) (Dissertação). São Paulo: Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo; 2009. 115p.
    15. 15. Watson R, Deary I, Thompson D, Li G. A study of stress and burnout in nursing students in Hong Kong: A questionnaire survey. Int J Nurs Stud. 2008 Oct; 45(10): 1534-42.
    16. 16. Wright, TF, Blache, CF, Ralph, J, Luterman, A. Hardiness, stress, and burnout among intensive care nurses. J burn care rehabil. 1993; 14(3): 376-81.
    17. 17. Bragard I, Etienne AM, Merckaert I, Libert Y, Razavi D. Efficacy of a communication and stress management training on medical residents’ self-efficacy, stress to communicate and burnout: a randomized controlled study. J. health psychol. 2010 Oct;15(7):1075-81.
    18. 18. Sinha V, Singh RN. Immunological Role of Hardiness on Depression. Indian J Psychol Med. 2009; 31(1): 39–44.
    19. 19. Hamdan-Mansour AM, Puskar K, Bandak AG. Effectiveness of cognitive-behavioral therapy on depressive symptomatology, stress and coping strategies among Jordanian university students. Issues mental health nurs. 2009; 30(3):188-96.
    20. 20. Vance DE, Burrage JJ, Couch A, Raper J. Promoting successful aging with HIV through hardiness: implications for nursing practice and research. J Gerontol Nurs. 2008 Jun;34 (6):22-9.