Revista  Enfermagem Atual

Nosso contato
enfermagematual2017@gmail.com
+55 (21) 2259-6232
Nosso endereço
[ISSN 1519-339X ] Impressa
Rua México, 164, SALA 62
Centro | RJ - 20031-143

Atividade antibacteriana in vitro do extrato etanólico da Capparis flexuosa Linn

In vitro antibacterial activity of ethanol extract of Capparis flexuosa Linn
  • José Ivaldo Ferro Filho
  • Maria Gabriella Silva Araujo
  • Wagner Vicente Silva dos Santos
  • Marcos Eduardo Lopes Correia
  • Talita Lúcio Chaves Vasconcelos
  • Raíssa Fernanda Evangelista Pires dos Santos
  • Thaís Honório Lins
  • Regina Célia Sales Santos Veríssimo
  • Kátia Mayumi Takarabe Caffaro
  • João Xavier de Araújo-Júnior
  • Maria Lysete de Assis Bastos

RESUMO

RESUMO: O tegumento humano está propício às adversidades ambientais, tais como agentes físicos, químicos ou biológicos, que podem promover a ruptura dessa camada protetora, levando à formação e aparecimento de feridas. Trata-se de uma pesquisa básica, delineada nos moldes da pesquisa quantitativa e experimental que objetivou avaliar a atividade antibacteriana in vitro do extrato etanólico da casca do caule da espécie Capparis flexuosa Linn. por meio da Técnica de Microdiluição em Caldo. O extrato avaliado apresentou atividade contra S. aureus, E. coli, E. aerogenes, A. calcoaceticus e S. flexneri. Os resultados da presente pesquisa levantam a necessidade de busca e elaboração de novas pesquisas com abordagem química e farmacológica, tendo como foco principal o controle de infecções em feridas cutâneas infectadas.

Descritores: Plantas medicinais, Capparis flexuosa, Testes de Sencibilidade Microbiana, Enfermagem.


SUMMARY - The human integument is conducive to environmental adversities, such as physical, chemical or biological agents that can cause rupture of this protective layer, leading to the formation and appearance of sores. This is a basic research outlined in the mold of quantitative and experimental research aimed to evaluate the in vitro antibacterial activity of the ethanol extract of the stem bark of Capparis flexuosa species Linn. by microdilution broth technique. The statement reported active against S. aureus, E. coli, E. aerogenes, A. calcoaceticus and S. flexneri. The results of this study raise the need for search and development of new research on chemical and pharmacological approach, focusing mainly on the control of infections in wounds infected.

Key words: Medicinal Plants; Capparis flexuosa; Microbial Sensitivy Tests; Nursing.

INTRODUÇÃO

A utilização de plantas como tratamento para as enfermidades é um dos meios mais antigos já utilizados pelo homem. Atualmente, a fitoterapia é uma das alternativas utilizadas como solução terapêutica, tendo seu uso disseminado principalmente entre as populações mais carentes, devido ao fato de ser uma opção barata, eficiente e culturalmente disseminada entre os povos 1,2.

As propriedades antimicrobianas de algumas substâncias presentes em extratos e óleos extraídos de espécies do reino vegetal, são reconhecidas pelas crenças populares há muitos anos. Assim, os extratos vegetais são tidos como uma fonte promissora de substâncias com propriedades antibacterianas. Entretanto, apenas nos últimos anos essas substâncias começaram a ser estudadas e passaram a ter sua ação comprovada cientificamente 3.

Percebe-se que as plantas atuam como produtoras de agentes terapêuticos, modelos para novos medicamentos sintéticos e ainda como princípio ativo para a produção semissintética de moléculas de alta complexidade, o que justifica o fato de que 25% dos fármacos utilizados atualmente serem de origem vegetal 4.

Com esses estudos foram observados vários avanços na área dos fitoterápicos, sendo esses impulsionados pela implementação de políticas públicas, programas e a criação de legislação com o objetivo de valorizar as plantas medicinais nos cuidados primários com a saúde e com o intuito de realizar a sua implementação na rede pública de saúde, como também na ampliação da cadeia produtiva de plantas medicinais e fitoterápicos 5.

O tegumento humano está propício às adversidades ambientais, tais como agentes físicos, químicos ou biológicos, que podem promover a ruptura dessa camada protetora, levando à formação e aparecimento de feridas 6.

Para que ocorra a cicatrização dessas feridas, o organismo lança mão de um complexo processo, o qual envolve a organização celular, a presença de sinais químicos e matriz extracelular com o intuito de que ocorra a reparação tecidual 7. No entanto, alguns fatores podem vir a retardar o processo anteriormente citado, como exemplo, a infecção no ferimento 8.

O aumento do número de casos de feridas infectadas na população é um fato de conhecimento dos profissionais de saúde e uma problemática que tem gerado diversas discursos entre as diversas classes profissionais envolvidas com o cuidado de feridas, tendo em vista o crescente aumento da dificuldade do tratamento das mesmas 9.

A espécie Capparis flexuosa Linn, pertencente à família Capparaceae, conhecida como “feijão bravo” ou “feijão de boi”, é uma planta do tipo arbustiva, usada para alimentação de bovinos, caprinos e ovinos da caatinga devido à falta de forragem verde durante a seca 10. Possui valor medicinal para os animais, sendo utilizada em bovinos, caprinos e ovinos para abrir o apetite do animal e baixar a febre 11. Também é usada na medicina popular pela população rural na cura de doenças venéreas, vermes, como erva anestésica e para dor de dente 12.

Considerando o exposto e tendo observado a baixa quantidade de referências quanto às atividades farmacológicas da Capparis flexuosa L., pertencente à caatinga do semiárido Alagoano, objetivou-se analisar a atividade antibacteriana in vitro do extrato etanólico da casca do caule desta espécie frente às linhagens bacterianas que infectam feridas. Seu estudo torna-se relevante para o incremento do arsenal terapêutico dos antimicrobianos, visando fornecer subsídios para o uso tópico e seguro deste produto natural no tratamento de feridas infectadas.

MÉTODOS

Pesquisa básica, delineada nos moldes da pesquisa quantitativa e experimental, cujo objetivo é gerar novos conhecimentos. Caracteriza-se como pesquisa laboratorial in vitro, onde condições biológicas são simuladas em laboratório, para avaliar novos materiais ou métodos terapêuticos.

Obtenção do material vegetal

A espécie vegetal Capparis flexuosa foi coletada na Reserva Ecológica do Castanho, situada na cidade de Delmiro Gouveia/ Alagoas, no dia 23 de outubro de 2012 às 15 horas e 50 minutos, tendo como coordenadas geográficas da coleta do material os seguintes pontos: S09º32’13,2” W037º54’22,0”.

Preparação do extrato

O material vegetal da casca do caule, após secagem à temperatura ambiente e trituração, foi individualmente extraído, através de maceração, com etanol (EtOH) absoluto (P.A). Após concentração das soluções em evaporador rotativo e secagem a temperatura ambiente, obteve-se extrato bruto.

Microrganismos Utilizados

As linhagens microbianas utilizadas neste estudo foram padronizadas pela American Type Cell Cellection – ATCC/Manassas - VA/USA. Foram avaliadas bactérias Gram-positivas: Staphylococcus aureus (ATCC 25293), Streptococcus epidermidis (ATCC 14990), Enterecoccus faecalis (ATCC 29212); e Gram-negativas: Enterobacter aerogenes (ATCC 13048); Escherichia. coli (ATCC 14942), Pseudomonas aeruginosa (ATCC 27583), Klebsiella penomoniae (ATCC 31488) Salmonella entérica (ATCC 31488), Acinetobacter calcoaceticus (ATCC 23055) e Shigella flexneri (ATCC 12022).

Técnica da Microdiluição em Caldo

Para a determinação da Concentração Inibitória Mínima (CIM), o inóculo foi preparado de acordo com a escala 0,5 de McFarland e rediluído numa proporção de 1:10 (v/v) para se obter a concentração padrão utilizada (104 UFC mL-1). A CIM foi realizada em microplacas de poliestireno estéreis de 96 poços, com 12 colunas (1 a 12) e 8 linhas (A a H). Todos os orifícios a partir da linha A foram preenchidos com 100 μL de caldo Mueller Hinton (MH). Um volume de 100 μL da solução estoque na concentração de 2.000 μg ml-1 (0,4g do extrato/20 ml de Dimetilsufóxido -DMSO a 2%) da amostra vegetal foi inoculado, em triplicata, nas colunas de 4 a 6 da linha A.

Em seguida, uma alíquota de 100 μL do conteúdo de cada orifício da linha A foi transferido para os orifícios da linha B, e após homogeneização o mesmo volume foi transferido para a linha C, repetindo-se este procedimento até a linha H. Obtendose as concentrações decrescentes em μg mL-1 de 10.000; 5.000; 2.500; 1.250; 625; 312,5; 156,25 e 78,125.

Posteriormente, em cada orifício foi adicionado 5 μL de inóculo microbiano. Para o controle positivo da viabilidade bacteriana utilizou-se o caldo MH e o inóculo microbiano (5 μL); o controle negativo foi avaliado por meio da atividade inibitória do diluente DMSO a 2%; e para o controle de esterilidade utilizouse apenas o caldo.

As placas foram incubadas em estufa bacteriológica a 35ºC por 18 horas. Após este período, foram adicionados 20 μL de Cloreto de Trifeniltetrazólio (TTC) a 5% em cada poço, e as placas foram reincubadas por mais 3 horas. A mudança de incolor para coloração vermelha significou a presença de microrganismos, enquanto nos que mantiveram coloração original indicaram inibição do crescimento bacteriano.

RESULTADOS

O extrato etanólico apresentou atividade contra cinco dos microrganismos avaliados: S. aureus, E. coli, A. calcoaceticus, E. aerogenes e S. flexneri, sendo que para a linhagem de E. aerogenes a ação antibacteriana foi de 5.000 μg mL-1, enquanto que para as linhagens de S. aureus, E. coli, A. calcoaceticus, e S. flexneri a CIM foi de 10.000 μg mL-1 (Figura 1). Os demais microrganismos avaliados não foram sensibilizados pela casca do caule da Capparis flexuosa L (Tabela 1).

Tabela 1. Concentração Inibitória Mínima (CIM) do extrato etanólico da casca do caule da Capparis flexuosa L. frente às linhagens de microrganismos avaliadas. Maceió, AL, Brasil, 2014.

Figura 1. A: Sensibilidade da linhagem E. aerogenes, à concentração de 5.000 μg mL-1, ao extrato etanólico da Capparis flexuosa L. em triplicata B: Sensibilidade da linhagem A. calcoaceticus, à concentração de 10.000 μg mL-1, ao extrato etanólico da Capparis flexuosa L. em triplicata Legenda: Linha A: correspondente à CMI de 10.000 μg ml-1; Linha B: correspondente à CMI de 5.000 μg ml-1. Fonte: Laboratório em Tratamento de Feridas – LpTF, Maceió-AL, Brasil, 2014.

DISCUSSÃO

No estudo realizado com Euadenia eminens, espécie vegetal pertencente à mesma família da Capparis flexuosa L., foi realizada uma triagem fitoquímica que identificou a presença de compostos fenólicos, glicosídeos, triterpenóides e flavonóides. Tais metabólitos secundários no extrato vegetal podem estar relacionados com a atividade antimicrobiana observada nesta planta 13.

Estudos realizados com o gênero Capparis têm revelado atividade antimicrobiana de diversas espécies, corroborando com o presente estudo. A espécie Capparis zeylanica evidenciou atividade antimicrobiana contra E. coli, Bacillus subtilis e Shigella dysenteriae 14. Já a espécie Capparis spinosa L. se mostrou eficaz contra S. aureus, E. coli, K. pneumonia, P. aeroginosa, S. epidermidis 15-16.

No presente estudo, o extrato etanólico da Capparis flexuosa L. evidenciou atividade antimicrobiana, mesmo que aparentemente pequena, contra as linhagens Gram -positivas (S. aureus) e Gram-negativas (E. coli, A. calcoacaticus, E. aerogenes e S. flexineri). Esta ação antimicrobiana pequena se justifica por se estar avaliando um extrato bruto e a presença de seus fitocomponentes primários e secundários podem interferir na concentração da substância que seja ativa contra as espécies destes microrganismos. Além disso, deve-se ressaltar que os testes realizados com os extratos brutos tentem a evidenciar resultados das CIMs mais elevados e certamente seus compostos isolados devem apresentar uma atividade antimicrobiana maior 17.

Este dado torna-se significante, pois a resistência aos antibióticos, principalmente das bactérias Gram-negativas, constituem um grave problema de saúde, sendo responsável por diversas infecções de difícil tratamento. Isto acontece devido ao arsenal de mecanismos de resistência que estes microrganismos possuem, ao uso indiscriminado de antibióticos em prescrições médicas, na agricultura, em rações e na prática da automedicação 18.

Estudos in vivo vêm sendo realizados sob a perspectiva da descoberta de atividade cicatrizante e antimicrobiana de plantas a fim de desenvolver produtos que sejam utilizados de forma alternativa no reparo de feridas infectadas 19-20.

CONCLUSÃO

Os resultados encontrados demonstram que a Capparis flexuosa L. tem um promissor potencial antimicrobiano, tendo em vista que se trata de um extrato bruto que evidenciou atividade antimicrobiana frente linhagens resistentes Gram-negativas. Diante disso, é necessário avaliar as classes de componentes químicos presentes nesta espécie para que se possa direcionar a ação antimicrobiana encontrada neste estudo tendo como foco principal o controle de infecções em feridas cutâneas infectadas, visto que a utilização de plantas na formulação de substâncias para o tratamento de infecções corporais é uma alternativa de sucesso. Este estudo permite comprovar que a ciência em enfermagem deve estar envolvida no campo das ciências básicas, valorizando a produção de conhecimento científico.

Referências

1. Heinrich M, Barnes J, Gibbons S, Williamson EM. Fundamentals of pharmacognosy and phytotherapy. Edinbrugh: Elsevier; 2004.

2. Kovalski ML. Diálogo entre o saber popular e o conhecimento científico : a etnobotânica das plantas medicinais na escola. 2011. [dissertação] Maringá: Universidade Estadual de Maringá; Maringá; 2011.

3. Sousa FCF, et al. Plantas medicinais e seus constituintes bioativos: Uma revisão da bioatividade e potenciais benefícios nos distúrbios da ansiedade em modelos animais. Revista Brasileira Farmacognosia (São Paulo). 2008; 18(4):642-654.

4. Alves RM, Perez AM, Silva DO, Menezes RCS. Fertilidade do solo e produção de biomassa no semi-árido. Recife: Ed. Universitária da UFPE; 2008.

5. Duarte MCT. Atividade Antimicrobiana de Plantas Medicinais e Aromáticas utilizadas no Brasil. Multiciência (Campina). 2006; 7.

6. Cunha NA. Sistematização da assistência de enfermagem no tratamento de feridas crônicas. Olinda: Faculdade de Ensino Superior de Olinda; 2006.

7. Isaac C, et al. Processo de cura das feridas: cicatrização fisiológica. Revista de Medicina (Ribeirão Preto). 2012 89(3/4):1679-9836.

8. Campos ACL, Borges-Branco A, Groth AK. ABCD. Cicatrização de feridas. Arq Bras Cir Dig (São Paulo). 2007; 20(1):51-8.

9. Wannmacher L. Uso indiscriminado de antibióticos e resistência microbiana: uma guerra perdida? Organização Pan-americana de Saúde (Brasília). 2004; 1(4):1-6.

10. Pereira NT, et al. Analise Nutricional da especie forrageira feijao-bravo (Capparis flexuosa). In: Resumos do Congresso Norte-Nordeste de Química. Natal; 2007.

11. Fabricante JR, Andrade AA, Lamartine SBO. Fenologia de Capparis flexuosa L. (Capparaceae) no Cariri Paraibano Revista Brasileira de Ciências Agrárias (Recife). 2009; 4(2):133-39.

12. Silveira PF, Bandeira MAM, Arrais PSD. Farmacovigilância e reações adversas às plantas medicinais e fitoterápicos: uma realidade. Revista Brasileira de Farmacognosia (São Paulo). 2008; 18 (4):618-26.

13. Dickson R, Fleischer T, Ekuadzi E, Komlaga G. Anti-Inflammatory, Antioxidant, and Selective Antibacterial Effects of Euadenia Eminens Root Bark. Afr J Tradit Complement Altern Med (África). 2012; 9(2): 271–76.

14. Haque M, et al. Actividades citotóxicas y antibacterianas de las raíces de Capparis zeylanica Linn. Ars Pharm (Espanha). 2008; 49(1):5-11.

15. Mahboubi M, Mahboubi A. Antimicrobial activity of Capparis spinosa as its usages in traditional medicine. Herba Polonica (Polônia). 2014; 60(1).

16. Mahmoudi R, Ehsani A, Tajik H, Pajohi-Alamoti M. Evaluation of Phytochemical and Antibacterial Properties of some Medicinal Plants from Iran. Journal of Biologically Active Products from Nature, 2013; 3(5-6): 295-352.

17. Benfatti CS, et al. Atividade antibacteriana in vitro de extratos brutos de espécies de Eugenia sp frente a cepas de molicutes. Rev Pan-Amaz Saude 2010; 1(2):33-39.

18. Tafur JD, Torres JA, Villegas MV. Mecanismos de resistencia a los antibióticos en bacterias Gram-negativas. Infectio (Bogotá), 2008; 12(3):217-26.

19. Ramos RS, et al. Atividade antimicrobiana in vitro dos extratos hexânico e etanólico das folhas de zeyheria tuberculosa*. Rev Rene (Ceará). 2012; 13(5):1015-24.

20. Sarmento PA, et al. Evaluation of the extract of Zeyheria tuberculosa with a view to products for wound healing. Rev. Latino-Am. Enfermagem (Ribeirão Preto). 2014; 22(1):166-72.