Revista  Enfermagem Atual

Nosso contato
enfermagematual2017@gmail.com
+55 (21) 2259-6232
Nosso endereço
[ISSN 1519-339X ] Impressa
Rua México, 164, SALA 62
Centro | RJ - 20031-143

Perfil dos adolescentes em processo de reabilitação por queimadura em um hospital escola da cidade de São Paulo

Profile of adolescentes undergoing rehabilitation in teaching hospital in São Paulo city
  • Júlia Teixeira Nicolosi
  • Viviane Fernandes de Carvalho
  • Marcus Castro Ferreira
  • Luiz Philipe Molina Vana
  • Juliana Almeida Nune

“Trabalho apresentado na Universidade Guarulhos para obtenção do título de mestre. Realizado no Ambulatório de Cirurgia Plástica e Queimaduras do Instituto Central do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo”.

RESUMO

Introdução: No adolescente a queimadura pode impactar negativamente nas alterações fisiológicas e psíquicas próprias da idade, gerando repercussões físicas, emocionais e sociais que o afetarão ao longo da vida havendo a necessidade do processo de reabilitação Objetivo: O presente estudo teve como objetivo avaliar o perfil epidemiológico do adolescente vítima de queimadura em processo de reabilitação. Método: Foi realizado um estudo transversal com 63 adolescentes vítimas de queimadura acompanhados pelo Ambulatório de Cirurgia Plástica e Queimaduras do Instituto Central do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo sendo aplicado o Instrumento Sócio-demográfico. Para a realização das análises foi utilizada estatística descritiva. Resultados: a população se caracterizou por ser na maioria do sexo feminino, solteira e sem um relacionamento estável, com 2º grau incompleto, média de 15,95 anos de idade, a média de superfície corporal atingida foi de 23,84%, a idade da ocorrência da queimadura foi em média de 5 anos, 6 meses e 18 dias causada principalmente por acidente (92,10%) causado pelo fogo (57,10%) tendo como principal agente causal o álcool (39,70%), a região mais atingidas pela queimadura foi o tronco (74,60%) Conclusão: há a necessidade de implementação de programas de prevenção com a finalidade de diminuir a ocorrência de acidentes, principal motivo da queimadura, principalmente os domésticos, assim como a realização de novos estudos nessa população.

Palavras chaves: queimaduras, reabilitação, adolescente.


SUMMARY - Introduction: In the adolescent burn may negatively impact on the physiological and psychological own age, generating physical, emotional and social factors that affect the lifelong with the need of the rehabilitation process. Purpose: This study aimed to evaluate the epidemiology profile of adolescent burn victim in the process of rehabilitation. Method: We conducted a cross-sectional study with 63 adolescent burn victims accompanied by the Clinic of Plastic Surgery and Burns of the Central Institute of Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de São Paulo being applied Instrument Socio-demographic Results: population was characterized as mostly female, unmarried and without a stable relationship with 2nd degree incomplete, averaging 15.95 years of age, mean body surface area affected was 23.84%, age of occurrence the burn was on average 5 years, 6 months and 18 days caused mostly by accident (92.10%) caused by fire (57.10%) with the primary causal agent alcohol (39.70%), the region most affected by the burn was the trunk (74.60%) Conclusion: is necessary to implement prevention programs in order to reduce the occurrence of accidents, the main reason for the burn, especially the domestic as well as new studies in this population.

Descriptors: burns, rehabilitation, adolescent.

INTRODUÇÃO

Para a World World Health Organization (WHO) a adolescência se constitui um processo biológico e vivências orgânicas, no qual se aceleram o desenvolvimento cognitivo e a estruturação da personalidade, abrangendo a pré-adolescência (entre 10 e 14 anos) e a adolescência (dos 15 aos 19 anos)1. Segundo essa mesma entidade muitos adolescentes sofrem de doenças crônicas, sequelas e disfunções como as geradas pela queimadura 1.

O adolescente vítima de queimadura se depara com as alterações físicas e psicológicas da sua própria condição 2, além das repercussões geradas pela lesão de queimadura. Dentre as complicações geradas pela queimadura se destacam a dor, sensação de parestesia, prurido, ansiedade, depressão, estresse pós-traumático, risco de suicídio, problemas físicos decorrentes das contraturas cicatriciais e problemas sociais como o desemprego 3-8.

No contexto atual, onde houve a queda da mortalidade das vítimas de queimadura, o processo de reabilitação vem sendo incorporado nos programas de tratamento dos centros especializados em queimaduras desde o atendimento nas unidades de terapia intensiva até o retorno ambulatorial 9-10 tendo como objetivo suprir as repercussões geradas pelas queimaduras, como contraturas, perda de massas musculares, ossificações heterotópicas, amputações, dores, neuropatias, fraqueza, prurido e desajustes psicológicos 9.

Dessa forma, conhecer o perfil epidemiológico dos adolescentes durante o processo de reabilitação por queimadura fornece subsídios e direcionamento para a prevenção da queimadura e para implementação de ações políticas que atendam às necessidades desse adolescente.

Método

Foi realizado um estudo de campo, transversal com análise quantitativa. O estudo foi realizado no Ambulatório de Cirurgia Plástica e Queimaduras do Instituto Central do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. A coleta de dados foi realizada entre os meses de agosto a dezembro de 2011. A população desse estudo foi formada 63 adolescentes entre 12 e 20 anos que são cadastrados e realizam a reabilitação no ambulatório em questão. O preenchimento do Instrumento Sócio-demográfico foi realizado antes ou após a consulta médica. Todos os voluntários foram convidados a participar da pesquisa, após a ciência e consentimento dos seus representantes legais, sendo assegurada a privacidade e a não identificação dos sujeitos e realizada a assinatura do TCLE. A pesquisa recebeu a aprovação da Comissão de Ética para Análise de Projetos de Pesquisa do HC-FMUSP.

As informações sociodemográficas do adolescente foram coletadas a partir de dados referidos pelo paciente ou seu responsável. A princípio, os dados clínicos referentes à queimadura e tratamento foram coletados a partir do prontuário. Caso não constasse a informação no prontuário, foi perguntada para o adolescente ou seu responsável.

Para armazenamento e análise dos dados foi utilizando o programa estatístico SPSS® (Statistical Package for the Social Sciences) versão 18.0 pela empresa IBM sendo a realizada a estatística descritiva.

RESULTADOS

No período compreendido entre agosto de 2011 a dezembro de 2011 foram coletados os dados de 63 participantes de idade entre 12 e 20 anos. Houve o predomínio do sexo feminino (60,3%), solteiros (93,7%), idade entre 12 a 20 anos (média de 15,95; DP de 2,88) e escolaridade com 2º grau incompleto (39,7%). Do total de 63 participantes, 59 não eram casados. Desses, a maioria não apresentava um relacionamento estável (estar namorando).

A média de superfície corporal atingida foi de 23,84% (DP= 21,76) (utilizado o método de Lund-Browder para a avaliação da % de SC afetada pela queimadura).

A idade da ocorrência da queimadura foi em média de 5 anos, 6 meses e 18 dias, sendo portanto, o trauma ocorrido durante a infância. O tempo médio de internação após o trauma da queimadura foi de 49 dias e 22 horas. A maioria apresenta sequelas funcionais e estéticas (52,4%) e consideram visível a cicatriz (81,0%).

O principal agente etiológico da queimadura é o fogo (57,10%) seguido pelo escaldo (31,70%). O principal motivo da queimadura foi o acidente (92,10%).

Dentre os 63 participantes estudados, sendo excluídos 6 participantes que tiveram queimaduras ocasionadas por traumas elétricos, reação química ou por contato, o álcool (39,70%) é a principal substância responsável pela queimadura, seguido do escaldo por água quente (19%) (tabela 1).

Tabela 1. Distribuição do agente etiológico e da substância causadoras da queimadura. São Paulo, 2011.

As regiões corporais mais atingidas pela queimadura são destacas respectivamente o tronco (74,60%), cabeça (68,30%), braço (65,10%), mão (60,30), pescoço (54,00%) e antebraço (46,00%) (tabela 2).

Tabela 2. Distribuição das áreas atingidas pela queimadura. São Paulo, 2011.

DISCUSSÃO

No estudo a população se caracterizou por ser na maioria do sexo feminino, solteira e sem um relacionamento estável, com 2º grau incompleto e média de 15,95 anos de idade.

Com relação aos dados clínicos, participaram do estudo adolescentes com média de superfície queimada de 23,84% (0,5099%), com tempo médio de internação de 49 dias e 22 horas (Dp= 36.37) e com idade de ocorrência da queimadura em média de 5 anos, 6 meses e 18 dias, evidenciando a ocorrência durante a infância. Tal idade da ocorrência da queimadura também é observada em outros estudos no Brasil 11-12 demonstrando a falta de conhecimento dos cuidadores acerca das características do desenvolvimento infantil, expondo a criança ao risco.

Com relação à porcentagem da superfície corporal atingida, o presente estudo encontrou 23,84% refletindo semelhança com o trabalho desenvolvido na Suécia onde foi aplicado a BSHS -R em pacientes que tinham média de 23,1% da superfície corporal atingida13. No Brasil, no estudo realizado para a validação e adaptação da BSHS-R, a média de superfície corporal atingida pelos pacientes foi de 19,2% 14, sendo, um pouco inferior em relação ao presente estudo. Essa semelhança é importante, pois, apesar de se tratarem de pacientes com faixas etárias distintas, apresentam condições clínicas semelhantes.

Etiologicamente a queimadura da amostra estudada não difere em relação à descrita na literatura, sendo o fogo e a escaldadura os principais agentes causadores11,12, 15 destacando como substâncias causadoras da queimadura, o álcool (39,70%) e a água (19%).

CONCLUSÕES

A infância e a adolescência são faixas etárias que são acometidas pela queimadura podendo gerar repercussões físicas e psicológicas que podem perdurar durante a vida adulta. Com a finalidade de prevenção da ocorrência da queimadura nessa faixa etária, há a necessidade de implementação de programas de prevenção com a finalidade de diminuir a ocorrência de acidentes, principal motivo da queimadura, principalmente os domésticos. Devido à escassa literatura da população adolescente vítima de queimadura, estudos mais abrangentes são necessários com a finalidade de direcionar as políticas de atenção de saúde.

Referências

1. World Health Organization [homepage da internet], Adolescent Health. 2011;[acesso em 08 maio 2011]. Disponível em: http://www.who.int/topics/ adolescent_health/en/

2. Wong DL. Enfermagem Pediátrica - elementos essenciais à intervenção efetiva. 5ª ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan; 1999.

3. Munster AM. Measurements of quality of life: then and now. Burns.1999;25(1):25-28.

4. Rosenberg L, Robert R, Thomas C, Holzer CE, 3rd, Blakeney P, Meyer WJ, 3rd. Assessing potential suicide risk of young adults burned as children. J Burn Care Res.2006;27(6):779-785.

5. Wallis HD, Renneberg BP, Ripper SD, Germann GMD, Wind GD, Jester AMD. Emotional Distress and Psychosocial Resources in Patients Recovering From Severe Burn Injury. Journal of Burn Care & Research. 2006;27(5):734-741.

6. Ringdal MM, Plos KP, Lundberg DP, Johansson LM, Bergbom IP. Outcome After Injury: Memories, Health-Related Quality of Life, Anxiety, and Symptoms of Depression After Intensive Care. J Trauma. 2009; 66(4):1226-1233. 7. van Baar ME, Essink-Bot ML, Oen IM, Dokter J, Boxma H, van Beeck EF. Functional outcome after burns: a review. Burns. 2006;32(1):1-9. 8. Kindal M. Perceived Physical and Psychological Outcome After Severe Burn Injury. Acta Universitatis Upsaliensis Uppsala. Comprehensive Summaries of Uppsala Dissertations from the Faculty of Medicine 1247. 2003:1-55.

9. Esselman, Peter CMD, Thombs, et al. Burn Rehabilitation: State of the Science. Am J Phys Med Rehabil. 2006; 85(4):383-413.

10. Sheridan RL. Comprehensive treatment of burns. Current Problems in Surgery. 2001; 38(9):657-756.

11. Oliveira FPSd, Ferreira EAP, Carmona SS. Crianças e adolescentes vítimas de queimaduras: caracterização de situação de risco ao desenvolvimento. Rev Bras Crescimento e Desenvolvimento Hum. 2009;19(1):19-34.

12. Martins CBdG, Andrade SMd. Queimaduras em Crianças e Adolescentes: Análise da morbidade hospitalar e mortalidade. Acta Paul de Enferm. 2007;20(4):464-469.

13. Kildal M, Andersson G, Gerdin B. Health status in Swedish burn patients. Assessment utilising three variants of the Burn Specific Health Scale. Burns. 2002;28(7):639-645.

14. Ferreira E, Dantas RA, Rossi LA, Ciol MA. The cultural adaptation and validation of the “Burn Specific Health Scale-Revised” (BSHS-R): version for Brazilian burn victims. Burns. 2008;34(7):994-1001.

15. Costa DM, Abrantes MM, Lamounier JA, Lemos ATO. Estudo Descritivo de Queimaduras em Crianças e Adolescentes. J Pediatr. 1999; 75(3):181-186.